EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Itália questiona futuro de direitos civis com extrema-direita no poder

Líder dos Irmãos de Itália, Giorgia Meloni
Líder dos Irmãos de Itália, Giorgia Meloni Direitos de autor EBU
Direitos de autor EBU
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Que futuro terão as famílias LGBTQ+ e interrupção voluntária da gravidez em Itália? Famílias temem pelo fim de political social em vigor.

PUBLICIDADE

Na casa de Alessia Crocini, como em tantas outras, há memórias de momentos felizes passados em família preservadas até hoje em fotografia.

Mas os resultados das eleições legislativas em Itália, com a vitória dos Irmãos de Itália e da extrema-direita, vieram abalar a segurança instalada no agregado e na comunidade LGBTQ+

Alessia, que é também presidente da associação "Famílias Arco-Íris", teme agora com a propagação de um discurso contra os chamados "lobby LGBT" e "ideologia de género".

"É uma notícia terrível, que já estávamos à espera, as sondagens foram claras. Mas quando algo como isto se materializa, se torna real, é realmente chocante", lamenta.

Restrições à interrupção voluntária da gravidez

Governada há dois anos pelos Irmãos de Itália, a região de Marche viu o acesso ao aborto restringido. A pequena cidade de Ascoli continua a ser o único lugar que acolhe mulheres à procura de uma interrupção da gravidez medicamente assistida.

Ao gabinete de obstetrícia e planeamento familiar, são várias as mulheres que chegam no limite, ou mesmo após abortos clandestinos para serem acompanhadas por profissionais da saúde, após nenhum médico aceitar fazer o procedimento. 

"Temos muitas histórias, demasiadas. Noutros sítios, as mulheres são forçadas a mudar de região, a fazer um aborto ilegal, a ir para o estrangeiro ou mesmo a não fazer um aborto", conta uma das técnicas do estabelecimento sanitário.

O regresso da extrema-direita ao poder em Itália faz muitos temer pelo fim de direitos civis adquiridos

Para o analista político Alan Fridman, "o elemento mais perigoso de Giorgia Meloni não é um regresso ao fascismo em Itália, mas uma redução dos direitos civis para as mulheres, para os homossexuais, para as pessoas que não são imigrantes brancos".

Os paralelismos com a realidade norte-americana são estabelecidos. "Penso que Giorgia Meloni tem uma política social que é perfeitamente semelhante à de Trump. Creio que ela vai tirar ou tentar tirar muitos direitos civis", afirma o especialista.

Após ter visto o partido sair vencedor das eleições no passado domingo, Giorgia Meloni prepara-se agora para assumir a liderança de um governo de coligação de extrema-direita.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Extrema-direita ganha poder na UE via coligações

Crescimento dos extremos está a enfraquecer o centro político europeu

Marcha LGBTQ+ desfila por Buenos Aires