Nadia Calviño: "Somos todos afetados pela chantagem energética de Putin"

Access to the comments Comentários
De  Efi Koutsokosta
Nadia Calviño: "Somos todos afetados pela chantagem energética de Putin"
Direitos de autor  euronews   -  

À medida que a crise energética aumenta, os preços do gás natural são quatro vezes mais elevados do que no Inverno passado e a inflação está num nível recorde de dois dígitos. A UE ainda está a lutar para encontrar um terreno comum. Haverá uma forma de escapar à situação? Para discutir isto, a vice-primeira-ministra de Espanha, Nadia Calviño, juntou-se à Euronews no Luxemburgo.

Efi Koutsokosta, Euronews: Senhora ministra, a guerra na Ucrânia teve um impacto dramático na situação energética na Europa, com um efeito de arrastamento nas nossas economias. Qual a gravidade da situação?

Nadia Calviño, Vice-primeira-ministra de Espanha: Obviamente, somos todos afetados pela guerra à porta da Europa, à porta dos nossos países, também pela chantagem energética de Putin. Mas o grau do efeito é muito diferente entre os diferentes países. Assim, temos algumas economias, tais como a economia alemã, os países bálticos, também os países vizinhos da Ucrânia que são mais diretamente afetados. Felizmente alguns outros países, como a economia espanhola, estão a sofrer menos no sentido de que estamos menos dependentes do petróleo e do gás da Rússia e também somos menos afetados pelos riscos derivados da situação atual.

Quando se trata da resposta a esta crise, há muitas críticas dirigidas à UE por não conseguir fazer face aos preços elevados do gás importado na Europa. Sente que a UE falhou até agora em estar à altura da situação?

Gostava que tivéssemos agido antes, mas sabe, mais vale tarde do que nunca. Apoiamos vivamente que a Comissão tome agora medidas decisivas e apoiamos vivamente os limites máximos de preços das compras conjuntas. Tomamos também o exemplo do mecanismo ibérico com o preço máximo do gás, que é um limite máximo de preços, que se revela, penso eu, extremamente eficaz para conter os preços e limitar o impacto nos cidadãos e nas empresas.

Enquanto a UE tenta encontrar uma solução pan-europeia, o governo alemão diz que está pronto a gastar até 200 mil milhões de euros para ajudar os consumidores e as empresas a fazer face ao aumento dos preços da energia. Pensa que isto prejudica uma abordagem pan-europeia à crise energética?

Tal como fizemos com a pandemia, penso que temos de responder com base em três princípios: Unidade, determinação e solidariedade. Provaram ser os princípios certos quando fomos confrontados com a pandemia, o que constituiu um desafio global. E agora que estamos perante outro desafio que ultrapassa as fronteiras nacionais, penso que devemos agir unidos e encontrar formas de responder de uma forma tão eficaz quanto possível. Dito isto, temos de ter em conta o facto de o impacto ser diferente nos diferentes países e isso também mostra que precisamos de ter a flexibilidade adequada dentro das nossas regras, para responder às diferenças entre as várias economias e aos desafios com que somos confrontados.

Tal como fizemos com a pandemia, penso que temos de responder com base em três princípios: Unidade, determinação e solidariedade.
Nadia Calviño
Vice-presidente do governo de Espanha

Compreende então o que a Alemanha fez? Não se sente um pouco frustrada porque age sozinha quando se trata da gestão desta crise?

Simpatizo muito com o facto de sermos todos confrontados com a forma de conter os preços e apoiar os nossos cidadãos e empresas nos nossos países. A situação é muito diferente, por exemplo, na Alemanha e em Espanha. Apenas para vos dar alguns números: Agora, em Espanha, vemos um crescimento muito forte. Na verdade, os dados atuais levam-nos a rever em alta a nossa previsão de crescimento este ano para 4,4%. Mas isso não significa que não tenhamos de tomar medidas importantes, com um impacto fiscal importante no nosso país, para apoiar os cidadãos e apoiar as empresas. Assim, todos nos confrontamos com o mesmo desafio de como continuar a apoiar as nossas sociedades e minimizar o impacto negativo da chantagem energética, assegurando simultaneamente a redução do défice e da dívida, e preservando assim a responsabilidade fiscal.

Então, a Alemanha funciona nesta base que acabou de descrever? A base da solidariedade?

Durante a pandemia, assistimos a uma forte solidariedade vinda da Alemanha. E isto é extremamente importante para países como a Espanha, que foi muito diretamente afetada pela pandemia.

Será este o caso com a crise energética?

Bem, vejo um claro paralelismo, uma simetria, diria eu, no sentido de que fomos apoiados pela UE quando a economia espanhola foi diretamente atingida pela pandemia. Agora estamos também a sinalizar a nossa forte solidariedade para com os países mais diretamente afetados pela chantagem e pelos riscos e desafios derivados da agressão contra a Ucrânia.

Então é tempo de criar um instrumento semelhante ao que fizemos com a pandemia, o mecanismo SURE, a fim de fazer face também a esta crise?

Precisamos de ver que instrumentos já estão disponíveis no orçamento europeu, mais os planos de recuperação, que são fontes de financiamento muito importantes que podem contribuir, que têm um impacto contracíclico muito significativo e que nos podem permitir empreender investimentos e reformas de natureza estrutural. Precisamos de tirar proveito e aproveitar a oportunidade dos planos de recuperação de modo a maximizar o potencial impacto no crescimento a nível nacional, mas mais importante ainda no crescimento a nível europeu.

Como sabe, os números divulgados recentemente pelos Ministros são muito desanimadores. A inflação atingiu um recorde de 10%. Vimos um aumento dos preços da energia de 40,8% de ano para ano, seguido dos alimentos. O que deve ser feito?

Vemos que se trata basicamente de uma inflação que é importada para a UE e que se deve aos elevados preços da energia e de outras matérias-primas, como mencionou, e à depreciação do euro, é claro. Por isso devemos, o mais rapidamente possível, impedir que esta inflação seja importada para a UE e para a Zona Euro e tentar conter os preços da energia. É por isso que apoiamos fortemente as propostas vindas da Comissão. E apelamos a uma ação rápida, a uma ação urgente para atualizar o quadro regulamentar para impor limites aos preços do gás ou, em qualquer caso, alterar a referência à TTF - Title Transfer Facility - que é um local de fixação de preços dentro dos Países Baixos. A TTF tornou-se o local de fixação de preços mais líquido na Europa e está a revelar-se propensa à especulação e a aumentos de preços elevados, e encontrar um quadro apropriado para assegurar que os preços na Europa parem de aumentar o mais rapidamente possível.

Receia que todos estes desafios e incertezas que se avizinham possam alimentar a agitação social na UE?

Esse é um desafio que temos de ter constantemente em mente. É claro que os cidadãos europeus, todos nós, temos sofrido tempos muito difíceis, um cenário muito difícil nos últimos três anos desde que a pandemia nos atingiu. No caso de Espanha, tivemos também uma erupção vulcânica no meio. E depois veio a guerra e a inflação e o aumento dos preços da energia, que estão a afetar todos os cidadãos, famílias e empresas na Europa. É por isso que precisamos de ser extremamente responsáveis e cuidadosos neste momento, para tomarmos as medidas corretas para apoiar os nossos cidadãos, mas sem perder de vista a necessidade de assegurar a consolidação fiscal e a estabilidade financeira na zona euro e na UE como um todo.