This content is not available in your region

Guerra na Ucrânia como tema da primeira Comunidade Política Europeia

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com AP, AFP, Lusa
AP
AP   -   Direitos de autor  Darko Bandic/AP   -  

O Presidente francês considerou que a reunião inaugural da Comunidade Política Europeia mostrou a “unidade de 44 países europeus” na condenação clara da agressão militar russa à Ucrânia, contrariando a ideia de que a Europa poderia ser dividida.

“Mostrámos a unidade de 44 países europeus, que afirmaram muito claramente a sua condenação da agressão russa e o apoio à Ucrânia. E isso tem muito valor, porque por vezes há dúvidas sobre a divisão da Europa, e demos uma mensagem de unidade todos juntos”, declarou Emmanuel Macron, na conferência de imprensa após a primeira reunião deste novo fórum.

Macron, que lançou, em maio passado, a ideia desta comunidade política, explicou que o objetivo de reunir “44 Estados soberanos” em Praga foi a de “a Europa se ver como um continente, independentemente das organizações existentes, e discutir entre Estados soberanos e iguais os seus problemas comuns”, comentando que era disso que o continente precisava.

Igualmente presente na conferência de imprensa, o anfitrião do evento, o primeiro-ministro checo, considerou que a reunião foi um sucesso.

“O nosso objetivo comum era criar uma plataforma informal onde possamos cooperar, partilhar ideias e desenvolver soluções para devolver a paz e prosperidade à Europa, e creio que fomos bem-sucedidos”, disse Petr Fiala.

“Não queremos substituir formatos existentes de cooperação, não adotámos nenhuma resolução oficial, apenas sentíamos a necessidade de termos espaço para trocas de pontos de vista informais sobre acontecimentos em curso na Europa e no resto do mundo”, mas com atenção especial “à guerra lançada pela Rússia na Ucrânia”, destacou.

Moldova acolhe próximo encontro

A Presidente da Moldova, país que acolherá, no primeiro trimestre de 2023, a segunda reunião da Comunidade Política Europeia, destacou também que, “ao estabelecer esta comunidade nestes tempos difíceis, um dos primeiros objetivos é agir juntos para que a paz sustentável e respeito pela lei internacional sejam restaurados por todo o continente europeu”, o que “começa por ajudar a Ucrânia a restaurar a sua integridade territorial”.

“Estamos unidos em condenar a agressão russa contra a Ucrânia e a anexação ilegal dos seus territórios”, disse Maia Sandu.

Proposta originalmente pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, numa altura em que já estava em curso a agressão militar russa à Ucrânia, esta Comunidade Política Europeia juntou hoje em Praga 44 líderes europeus, sublinhando o isolamento de Moscovo na cena internacional, e designadamente europeia.

Quem faz parte da Comunidade Política Europeia?

Além dos 27 Estados-membros da União Europeia, participam neste fórum seis países dos Balcãs Ocidentais (Albânia, Macedónia do Norte, Kosovo, Sérvia, Bósnia e Herzegovina e Montenegro), os países do trio associado que recentemente pediram a adesão à UE (Geórgia, Moldova, Ucrânia), Arménia e Azerbaijão, bem como os quatro países da EFTA, a Associação Europeia do Comércio Livre (Noruega, Suíça, Islândia e Liechtenstein) e ainda o Reino Unido e a Turquia, representados em Praga pela primeira-ministra britânica, Liz Truss, e pelo Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

Ucrânia e Portugal também presentes

A Ucrânia esteve presencialmente representada pelo primeiro-ministro Denis Shmyhal, mas o Presidente, Volodymyr Zelensky, interveio por videoconferência, saudando esta nova iniciativa política e fazendo votos para que esta plataforma se torne uma verdadeira “Comunidade Europeia de Paz”.

À chegada ao Castelo de Praga, o primeiro-ministro, António Costa, fez votos para que a “importante experiência” da cimeira inaugural da Comunidade Política Europeia tenha “sucesso”, dado os desafios globais atuais exigirem respostas globais “o mais reforçadas possíveis”.

Questionado sobre se esta cimeira isola a Rússia, António Costa sublinhou que “a Rússia isolou-se a si própria pela forma como, em clara violação do direito internacional, desencadeou uma guerra ilegítima, brutal, desumana, como a tem vindo a conduzir ainda por cima, contra a Ucrânia e o seu povo”.