This content is not available in your region

Governo de Portugal diz que o OE2023 traz "estabilidade, rendimentos e confiança"

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Ministro das Finanças na apresentação da proposta do Orçamento do Estado para 2023
Ministro das Finanças na apresentação da proposta do Orçamento do Estado para 2023   -   Direitos de autor  EPA/ANTONIO PEDRO SANTOS   -  

O Orçamento do Estado português para 2023 foi entregue no parlamento.

Três palavras-chave definem a estratégia segundo o ministro das Finanças: "estabilidade, rendimentos e confiança".

Fernando Medina detalhou o documento em conferência de imprensa, confiante no país.

"A segunda palavra-chave é confiança, confiança no futuro da economia portuguesa, confiança no futuro do nosso país, confiança no futuro das nossas empresas, na nossa capacidade de produzir riqueza capaz de servir depois para mais e melhores salários", disse.

Mas estabilidade é a primeira palavra-chave na proposta do Orçamento de Estado para 2023.

"Apoiar os rendimentos, reduzir a incerteza sobre o futuro, reduzir os impostos para que possamos criar um maior rendimento disponível para as famílias e, sobretudo, ancorar estas melhorias num cenário a médio prazo', tanto na administração pública como no setor privado", lê-se no site oficial do governo.

Quando a previsão aponta para o crescimento de apenas 1,3% do PIB em 2023, as prioridades são o reforço dos rendimentos, a promoção do investimento e também a redução da dívida pública.

O governo português tem expectativas de que a inflação abrande para 4% no próximo ano, mas considera que o consumo privado, que representa quase dois terços do PIB, vai crescer apenas 0,7%, uma forte quebra face aos 5,4% de 2022.

Apesar disso, o executivo espera reduzir o défice orçamental para 0,9% do PIB no próximo ano, enquanto a dívida pública deverá terminar 2023 em 110,8% do PIB, após uma previsão de 115% este ano.

Nas previsões do governo está também uma taxa de desemprego que não vai além dos 5,6%.

Medina diz que o contexto é exigente, mas o plano de despesas oferece estabilidade, confiança e empenho, e deixa margem de manobra para lidar com possíveis cenários mais adversos.

Entre as medidas previstas para ajudar as famílias estão:

  • Redução da taxa de IRS para o segundo escalão do imposto sobre o rendimento de 23% para 21% e a atualização dos escalões em 5,1%;
  • Alteração da forma de desconto mensal do IRS;
  • Aumento do subsídio de desemprego para 1196,6 euros, com um limite mínimo de 550,5 euros;
  • Aumento do salário mínimo da função pública para 761,58 euros;
  • Aumento da dedução do IRS a partir do segundo filho de 750 para 900 euros.

O Orçamento de Estado para 2023 será debatido no Parlamento português nos dias 26 e 27 de outubro, estando a votação final global da proposta do governo agendada para o dia 25 de novembro.

O Presidente da República reagiu às críticas da oposição sobre a insistência das "contas certas" do governo, num contexto tão exigente.

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que "se respondermos a todos os problemas, dentro de um ano ou dois as instituições europeias cairão sobre nós".

O chefe do Estado considerou que o governo apresentou previsões "mais otimistas" do que esperava.