EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Extrema direita fica à porta do governo sueco

Partidos à direta encontraram plataforma de entendimento na Suécia
Partidos à direta encontraram plataforma de entendimento na Suécia Direitos de autor Jonas Ekstromer/TT/AP
Direitos de autor Jonas Ekstromer/TT/AP
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Liberais e conservadores vão formar governo, mas estabelecem um canal direto de contacto com a extrema-direita. Um entendimento que deverá viabilizar o governo minoritário

PUBLICIDADE

Uma coligação a três para um entendimento a quatro. Liberais e conservadores juntam-se para formar governo na Suécia. Uma coligação minoritária que vai depender do apoio da extrema direita no parlamento. Os populistas do Partido dos Democratas Suecos tornaram-se na segunda força política e vão ter linha de comunicação direta com os novos governantes.

"Este governo vai trabalhar em estreita colaboração com os Democratas Suecos no Parlamento," anunciou Ulf Kristersson, líder do Partido Moderado acrescentando que estes "terão o seu próprio gabinete de trabalho com os funcionários políticos no governo". 

Fundado por activistas de extrema-direita, os Democratas Suecos deixaram de ser um movimento marginal. O partido teve mais de 20% dos votos e montou a plataforma política no discurso contra a imigração.

"Para nós, tem sido absolutamente decisivo que uma mudança no poder seja uma mudança de paradigma quando se trata de política de imigração. Para mim não há dúvida de que este acordo significa apenas isso - uma mudança de paradigma," declarou Jimmie Akesson, Líder dos Democratas Suecos no anúncio do acordo, esta sexta-feira.

Os Democratas Suecos ficam, para já, à porta do governo. Executivo avança com coligação minoritária de liberais e conservadores.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Suécia diz que avião de guerra russo violou o seu espaço aéreo

Putin substitui ministro da Defesa. Shoigu será secretário no Conselho de Segurança da Rússia

O futuro da Europa: dos combustíveis fósseis à dependência dos metais?