EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Seca afeta Danúbio e economia da região

Seca afeta Danúbio e economia da região
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Diana Sobaru
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Seca desencadeou uma reação em cadeia, afetando o nível das águas do Danúbio e, por sua vez, a economia da região. O impacto já é evidente no nível dos preços.

PUBLICIDADE

A seca do Danúbio, a mais severa dos últimos séculos, teve consequências graves para países cujas economias estão fortemente ligadas ao grande rio da Europa Central.

Os níveis de água do rio, os mais baixos de sempre, tornaram a navegação comercial extremamente difícil, criando ainda maiores dificuldades para o setor de serviços comerciais, já de si afetado pela guerra na Ucrânia.

Os pontos em que a situação é mais crítica situam-se na Roménia, não muito longe do estuário e do porto de Constança.

O nível anual de precipitação é mais ou menos o mesmo que no passado, verifica-se até um ligeiro aumento do volume anual de precipitação acumulada. O problema é que existe uma redistribuição da chuva durante o ano: por um lado, os períodos de seca alargaram-se e, por outro, temos quantidades significativamente maiores de precipitação em curtos períodos de tempo.
Vladimir Djurdjevic, climatologista

“Temos unidades de 1.000-1.200 toneladas e, no período em que não havia água, carregávamos somente 700, no máximo 740 toneladas, ou seja, praticamente metade. Pudemos utilizar apenas cerca de 60% da nossa capacidade,” afirma Edmon Șandru, transportador de cereais.

O aumento da procura de remessas de cereais com partida dos portos de Reni e Ismail, no Danúbio, foi uma tábua de salvação para os transportadores durante o tempo de seca. Na rota de Tulcea-Galati-Constança, os níveis de água, no seu limite, permitiram que os cargueiros chegassem ao porto da cidade.

Segundo Daniel Georgescu, da Administração de Hidrovias de Constança, “este ano foi uma calamidade. O nível de água mais baixo no nosso concelho registou-se em Cernavoda, um nível de 1,40 metros, em comparação com os atuais 4,70 metros. Foi uma descida muito acentuada. Acho que este foi o verão mais difícil nos meus 11 anos como administrador desta empresa.”

No início de agosto, as autoridades proibiram a utilização da água do canal do Danúbio para a irrigação. Durante dois meses, o trigo, o milho e os girassóis ficaram à mercê da chuva, e agora até as colheitas de outono estão provavelmente em risco.

A montante do rio, na Sérvia, as preocupações são as mesmas, pois a economia do país está também ela ligada ao Danúbio.

“O nível anual de precipitação é mais ou menos o mesmo que no passado, verifica-se até um ligeiro aumento do volume anual de precipitação acumulada. O problema é que existe uma redistribuição da chuva durante o ano: por um lado, os períodos de seca alargaram-se e, por outro, temos quantidades significativamente maiores de precipitação em curtos períodos de tempo," explica o climatologista Vladimir Djurdjevic.

A seca desencadeou uma reação em cadeia: afetou o nível das águas do Danúbio, que, por sua vez, afetou a economia da região. O impacto já é evidente no nível dos preços e, segundo os peritos, a situação deverá piorar no futuro próximo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Seca provoca “perdas irreversíveis" em Espanha

Estas cinco regiões do mundo poderão em breve enfrentar conflitos por causa da água

Baltimore: aberta passagem para algumas barcaças e rebocadores