Despedimentos em massa nos gigantes tecnológicos

Os despedimentos começam a tornar-se um hábito em Silicon valley
Os despedimentos começam a tornar-se um hábito em Silicon valley Direitos de autor Euronews
De  Patricia Tavares
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Demissões começam a tornar-se um hábito em Silicon Valley.

PUBLICIDADE

Nesta edição do "Cubo", com apresentação de Patrícia Tavares, abordamos osdespedimentos que começam a tornar-seum hábito em Silicon Valley. Depois da Meta, a casa mãe do Facebook, ou do Twitter é agora a vez da Amazon anunciar que pode vir a despedir mais de 10 mil pessoas em todo o mundo.

A verificar-se este anúncio serão mais de 130 mil as pessoas despedidas no setor tecnológico em 2022. É um autêntico massacre o que se está a passar nas redes sociais e nos gigantes tecnológicos, no que toca aos despedimentos.

Um dos exemplos é a rede social Twitter de Elon Musk, que à chegada despediu quase metade dos funcionários da rede social, mas agora chegou à conclusão que está com falta de pessoal, para levar avante as mudanças anunciadas aos utilizadores.

Dois deles, que já regressaram: Ligma e Johnson, porque Elon Musk admitiu que um dos seus maiores erros foi despedir alguns funcionários essenciais ao bom funcionamento do twitter.

A procura por uma alternativa ao Twitter subiu mais de 560%, em setembro e outubro - e na altura em que Elon Musk tomou as rédeas da rede social.

Numa altura em que os gigantes começam a perder, quem começa a ganhar são os mais pequenos, como por exemplo, a rede social Mastodon - é uma alternativa ao Twitter, semelhante, mas com propriedades específicas - e, a Similarweb, uma das empresas mais conhecidas no que toca à análise de marcas e de sites, diz que a procura por uma alternativa ao Twitter subiu mais de 560%, em setembro e outubro - também na altura em que Elon Musk tomou as rédeas da rede social Twitter.

Outro exemplo de crescimento é também o Rumble. O Rumble é uma alternativa ao Youtube, uma plataforma de streaming, que também viu o número de utilizadores subir mais de 40%, assim como o nível das ações que também subiu 40%.

As grandes empresas de tecnologia estão a sofrer com estes efeitos boomerang da crise de covid-19 e da Pandemia, começaram a apostar nas contratações, numa altura em que o publico estava todo em casa e na internet, mas agora com o regresso à vida normal e também com a guerra na Ucrânia a emsombrar as perspetivas económicas, as vozes mais apocalípticas dizem que este pode ser o fim das redes sociais.

Talvez uma imagem um pouco extrema, mas que nos faz refletir se seríamos capazes de viver em rede, mas sem rede (social), como antes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Conferência dos Oceanos das Nações Unidas agita as águas em Lisboa

Responsável pela criação do ChatGPT readmitido pela startup OpenAI

Gigantes da tecnologia discutem Inteligência Artificial