OEACP quer erradicar pobreza em África, Caraíbas e Pacífico

Cimeira da Organização dos Estados de África, Caraíbas e Pacífico em Luanda
Cimeira da Organização dos Estados de África, Caraíbas e Pacífico em Luanda Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Organização dos Estados de África, Caraíbas e Pacífico reafirma compromisso para a erradicação da pobreza e combate às alterações climáticas.

PUBLICIDADE

A luta contra a pobreza, o desenvolvimento sustentável e a integração na economia mundial dos países que compõem a Organização dos Estados de África, Caraíbas e Pacífico, continuam a ser os grandes objetivos do organismo e serão essas as grandes bandeiras de Angola, que assume amanhã a presidência rotativa da OAECP, para os próximos três anos. Um compromisso que sai deste terceiro dia de encontros que antecedem a 10ª Cimeira de chefes de Estado e de governo que arranca esta sexta-feira em Luanda.

Encontros onde fica clara a importância dos jovens e das mulheres na África do futuro. A Subsecretária-adjunta para a Integração Original da SADC explicava que os países africanos estão a reconhecer, cada vez mais, o "papel da mulher nas sociedades" e que se estão a dar conta de "sem elas não é possível construir a África que se pretende". Angèle Makombo acrescentava que os jovens, com os quais contam porque são o futuro de África, enfrentam, também eles, grandes desafios. Eles têm um caminho complicado pela frente devido ao tipo de escolas, Educação, que existem; às economias, enfraquecidas deste continente, à alta taxa de desemprego com a qual se deparam.

Compromissos dos chefes de Estado da OAECP

Dos chefes de Estado dos países da OAECP espera-se que se comprometam com a consolidação da solidariedade mas não só. O secretário-geral do organismo referia que, a declaração final da cimeira, consagrará questões "ligadas ao ambiente, a luta contra as mudanças climáticas". Frisava ainda a importância do comprometimento da "comunidade internacional no apoio aos países que enfrentam problemas muito graves como a seca, as inundações e alguns tufões que, muitas vezes, destroem propriedade, particularmente nas ilhas do Caribe e do Pacífico".

Espera que no sábado os trabalhos terminem com a assinatura da Declaração de Luanda, pelos representantes dos Estados, onde ficarão firmados esses compromissos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Explosão em área comercial na República Dominicana mata três pessoas entre elas um bebé

Rihanna pede a líderes mundiais que ajudem comunidades mais afetadas pela emergência climática

África, Caraíbas e Pacífico reafirmam compromissos em Luanda