EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Presidente sérvio admite mobilização militar para o Kosovo

Aleksandar Vucic admite pedir luz verde à missão de paz da NATO para a mobilização militar de mil soldados
Aleksandar Vucic admite pedir luz verde à missão de paz da NATO para a mobilização militar de mil soldados Direitos de autor Petr David Josek/AP
Direitos de autor Petr David Josek/AP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Aleksandar Vucic convocou conselho nacional e garante que a prioridade é manter a paz

PUBLICIDADE

A prioridade é manter a paz, garantiu o presidente da Sérvia após convocar o conselho nacional face ao agravamento das tensões no Kosovo. Mas Aleksandar Vucic deixa o aviso: caso seja necessário, as suas tropas estão prontas a intervir para defender a comunidade sérvia que vive no território vizinho.

O chefe de Estado admite pedir luz verde à missão de paz da NATO para a mobilização militar de mil soldados para o norte do Kosovo, embora reconheça que não deverá consegui-lo.

A instabilidade tem vindo a aumentar desde que o governo kosovar proibiu a circulação de carros com matrículas sérvias anteriores a 1998. A detenção de um ex-polícia servo-kosovar, acusado de instigar a violência, inflamou ainda mais os ânimos. 

Foram montadas várias barricadas com camiões para bloquear estradas. Foi registado também um ataque à granada contra a EULEX, a missão civil da União Europeia, sem consequências de maior.

O primeiro-ministro kosovar, Albin Kurti, considera os contestatários como "gangues criminosos". As eleições autárquicas, marcadas para 18 de dezembro, foram adiadas para abril.

O Kosovo declarou a independência em 2008, mas nem a Sérvia, nem alguns países da União Europeia a reconhecem. Cerca de 90% da população é de origem albanesa, sendo que perto de 75 mil habitantes são sérvios.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sérvios vencem o calor com a tradicional descida do rio Ibar

China e Sérvia anunciam acordo global de comércio livre

Detidos suspeitos de morte de menina de dois anos