EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Ucrânia ataca exército russo em Melitopol

Guerra na Ucrânia
Guerra na Ucrânia Direitos de autor in movimento
Direitos de autor in movimento
De  Euronews com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Joe Biden reiterou o apoio a Volodymyr Zelenskyy

PUBLICIDADE

O local que serviu de quartel para os membros do grupo paramilitar russo Wagner na cidade ocupada de Melitopol foi alvo de um ataque das forças ucranianas, no sábado à noite. Kiev fala em cerca de 200 mortos e Moscovo confirmou duas vítimas mortais.

A entrada na guerra do sistema de mísseis HIMARS, fabricados nos Estados Unidos, marcou um ponto de viragem no conflito. Na conta do Twitter, o presidente ucraniano revelou que, numa conversa telefónica, o homólogo norte-americano garantiu que está pronto para fornecer mais ajuda militar e reforçar as capacidades aéreas ucranianas para contrariar os ataques às infraestruturas energéticas do país.

Também a Casa Branca confirmou que Joe Biden reiterou o seu apoio à Ucrânia num telefonema com Volodymyr Zelenskyy. Biden salientou a Zelenskyy "o apoio continuado dos EUA à defesa da Ucrânia enquanto a Rússia continua o seu ataque às infraestruturas críticas do país", de acordo com a declaração da Casa Branca.

As armas fornecidas pelo Ocidente, incluindo os Estados Unidos, têm desempenhado um papel crucial na defesa da Ucrânia desde o início da invasão russa. O telefonema deste domingo surge numa altura em que as forças russas atacam a infraestrutura de serviços básicos, causando cortes de energia que afetam milhões de pessoas em pleno inverno.

Os bombardeamentos russos deixaram milhões de ucranianos sem eletricidade, aquecimento ou água corrente. Durante o fim de semana, 1,5 milhões de pessoas ficaram sem luz na cidade portuária de Odessa. Parte do abastecimento elétrico foi restabelecido no domingo, mas esta segunda-feira a situação continua "muito difícil".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia quer Bielorrússia na guerra

Ucranianos em risco no Reino Unido

Pentágono promete envio imediato de armas à Ucrânia, se financiamento for aprovado