EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Ucranianos em risco no Reino Unido

A britânica Amanda Rodriguez Medina recebeu em sua casa a ucraniana Nataliia Parkhomenko
A britânica Amanda Rodriguez Medina recebeu em sua casa a ucraniana Nataliia Parkhomenko Direitos de autor DANIEL LEAL/AFP or licensors
Direitos de autor DANIEL LEAL/AFP or licensors
De  euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Milhares de refugiados ucranianos não conseguem subsistir ou arrendar casa no Reino Unido e correm o risco de se tornarem sem-abrigo.

PUBLICIDADE

Fugiram da guerra e agora correm o risco de se tornarem sem-abrigo no Reino Unido...

Há mais de 146 mil ucranianos na Grã-Bretanha ao abrigo de dois esquemas criados para ajudar os refugiados, após a invasão da Rússia, a 24 de fevereiro. Muitos não conseguem agora encontrar meios de subsistência ou casa para arrendar. Outros continuam a contar com o apoio dos patrocinadores como Amanda Rodriguez Medina, que recebeu em sua casa Nataliia Parkhomenko.

"Agora vivo aqui e estou feliz por estar aqui. Tenho a sorte de ter encontrado uma mulher realmente simpática. Ela ajuda-me... É como uma mãe", partilha Nataliia Parkhomenko, refugiada de Melitopol.

Segundo dados do Governo britânico, cerca de três mil ucranianos já se registaram como sem-abrigo em Inglaterra e estes números podem subir.

Ellada, uma arquiteta de Kiev conta que há "mulheres solteiras como eu. Umas trabalham e outras não, mas ganham um salário mínimo que não lhes permite cobrir totalmente a renda, e neste caso ou obtêm o estatuto de sem-abrigo e confiam no Estado, ou tentam encontrar um novo patrocinador, o que agora é quase impossível, ou decidem deixar a Inglaterra para sempre e regressar à Ucrânia".

Recentemente, refugiados ucranianos e patrocinadores britânicos entregaram em Downing Street uma petição com mais de 4500 assinaturas apelando ao Governo para que forneça apoio habitacional a estas pessoas.

Stan Benes, da organização Opora conta que "infelizmente, já não há muitos patrocinadores, de uma forma ou de outra. Não quer dizer que o interesse tenha diminuído, houve muito interesse no início. E muitas dessas pessoas acolheram as pessoas. Desde então, não tem havido tanta gente a apresentar-se infelizmente, por várias razões".

Numa altura em que o Natal se aproxima, muitos destes refugiados debatem-se agora um futuro pouco festivo... Ou ficarem nas ruas do Reino Unido ou voltarem para a Ucrânia em guerra...

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia ataca exército russo em Melitopol

Aos poucos, aldeias de Kharkiv e Zaporíjia vão sendo reconstruídas

Hospital pediátrico de Kiev reabre parcialmente uma semana após ataque da Rússia