Netanyahu vai chefiar governo com ultra-ortodoxos e extrema-direita

Manifestação em Israel
Manifestação em Israel Direitos de autor Oded Balilty/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Benjamin Netanyahu de volta ao poder em Israel. Vai chefiar governo de 31 ministros com ultra-ortodoxos e extrema-direita

PUBLICIDADE

Benjamin Netanyahu, líder do partido Likud (direita), regressou ao cargo de primeiro-ministro e agora lidera o governo mais religioso e ultranacionalista da história de Israel, comprometendo-se a implementar políticas que podem enfraquecer o poder judiciário, expandir os colonatos, causar tumultos domésticos e regionais e afastar os aliados mais próximos de Israel.

"A primeira missão: frustrar os esforços do Irão para desenvolver um arsenal de bombas nucleares que nos ameaçará a nós e ao mundo inteiro," afirmou o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, no Knesset (Parlamento israelita).

O discurso de Netanyahu no Parlamento foi interrompido repetidas vezes por protestos de membros da oposição que gritavam "fraco".

Fora do Parlamento, milhares de manifestantes agitaram as bandeiras de Israel e do Orgulho Gay e gritaram as palavras "não queremos fascistas no Knesset".

Muitos analistas acreditam que Netanyahu tem feito muitas concessões aos seus parceiros de Governo na esperança de obter imunidade judicial ou o cancelamento do seu julgamento por corrupção.

O Procurador-Geral da República, Gali Baharav-Miara, expressou, recentemente, receios de reformas que reduziriam o poder dos juízes e de uma "politização da força policial" que "desferiria um sério golpe nos princípios mais fundamentais do Estado de direito".

O Chefe do Estado-Maior do Exército, Aviv Kochavi, manifestou preocupação quanto à criação de um segundo posto ministerial, o de Bezalel Smotrich (partido Casa Judaica, extrema-direita), no seio do Ministério da Defesa, para supervisionar a gestão civil da Cisjordânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Jovem palestiniano morto por soldados israelitas na Cisjordânia

Israel dispara contra Gaza

Segundo maior hospital de Gaza não está operacional. Israel quer reféns libertados até ao Ramadão