A morte lenta da indústria pesqueira irlandesa

Access to the comments Comentários
De  Bryan Carter
A morte lenta da indústria pesqueira irlandesa
Direitos de autor  euronews

Os pescadores irlandeses dizem que estão a ser sacrificados pelo acordo comercial pós-Brexit entre o Reino Unido e a União Europeia.

Conhecido como o Acordo de Comércio e Cooperação, entrou em vigor em 2021 e obriga os navios europeus a transferir progressivamente para o Reino Unido parte das suas quotas de certas unidades populacionais de peixes no Oceano Atlântico e no Mar do Norte.

Para a indústria pesqueira irlandesa, isto significa um corte de 15% nas suas quotas até 2025, e uma perda anual projetada de 43 milhões de euros, tornando a Irlanda num dos países mais afetados por este acordo.

"É um golpe mortal", diz John Nolan, o gerente da cooperativa de pescadores na aldeia do sudoeste de Castletownbere. Ele calcula que 25% a 30% do seu pessoal será despedido como resultado nos próximos dois anos.

Programa de desmantelamento

Denominada a "capital do peixe branco" da Irlanda, Castletownbere pôde ver 19 dos seus navios desmantelados, como parte de um plano aprovado no verão de 2022, pelo governo irlandês, com a ajuda da UE.

Segundo Charlie McConalogue, Ministro da Marinha, o plano ajudará a "restabelecer o equilíbrio entre a capacidade da frota pesqueira e as quotas disponíveis, na sequência das reduções das quotas para as unidades populacionais decorrentes do Acordo de Comércio e Cooperação UE/Reino Unido".

Dos 180 navios de pesca de peixe branco do país, 64 terão solicitado o desmantelamento.

O pescador e proprietário de barco Daniel Healy é um dos candidatos, mas ainda não recebeu a oferta do governo para o seu barco, o Robyn RJ, que tem o nome dos seus três filhos. Após uma vida no mar e anos de capturas promissoras, Daniel diz à Euronews que a sua indústria "simplesmente não está num lugar muito bom neste momento". "Está numa encosta escorregadia e simplesmente não sabemos onde vai parar".

Bryan Carter
Daniel e a famíliaBryan Carter

"As quotas têm sido reduzidas de ano para ano, há muito pouco aumento de quotas, está apenas a descer e a descer, especialmente desde o Brexit", acrescenta Daniel, perguntando-se se alguma vez voltará a levar o seu barco para fora.

O sentimento ecoa em Castletownbere, onde muitos se preocupam com o impacto negativo que o esquema de desmantelamento terá nas empresas locais e nesta pequena comunidade de menos de 2000 residentes.

Futuro sombrio

"Vamos sofrer nas nossas comunidades costeiras. Vamos ver pessoas devastadas por causa disto. Gerações e gerações de pessoas que já pescam há talvez cem anos, não restará ninguém dessa pesca familiar. Forçados a abandonar a indústria que eles amam. É apenas um crime contra nós, para ser honesto", diz Patrick Murphy, CEO da Irish South & West Fish Producer's Organisation.

Vamos sofrer nas nossas comunidades costeiras. Vamos ver pessoas devastadas por causa disto.
Patrick Murphy
CEO da Irish South & West Fish Producer's Organisation.

Apesar de vários protestos na Irlanda, e apelos a nível europeu, o destino de Castletownbere e outras aldeias piscatórias na Irlanda parecem inextricavelmente ligados à política Brexit e à Política Comum da Pesca, que atribui quotas de pesca a cada Estado Membro da UE.

No entanto, John Nolan diz que os irlandeses "têm de ter alguma esperança por parte da União Europeia. E eu imploro aos nossos líderes, aos nossos políticos na Irlanda e na Europa que tratem a Irlanda de forma mais justa".

Nome do jornalista • Ricardo Figueira