EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Desigualdades são cada vez maiores na Suécia

Desigualdades são cada vez maiores na Suécia
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Valérie Gauriat
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A nova ponte em construção em Estocolmo, ligando um bairro problemático a uma zona afluente, é u,m símbolo de como o país é cada vez mais desigual.

PUBLICIDADE

Uma ponte em construção desencadeou um aceso debate em Estocolmo. A ponte ligará duas realidades contrastantes: o bairro desfavorecido de Rinkeby e a cidade mais rica de Sundbyberg. 

Enquanto a extrema-direita sueca receia que esta ligação espalhe a criminalidade, que associa à imigração, os residentes acreditam que a ponte não só facilitará as deslocações, mas também refreará a segregação. 

A nossa repórter Valérie Gauriat descortina as realidades subjacentes na Suécia, onde a desigualdade socioeconómica nunca foi tão elevada.

Rinkeby é um dos centros da violência em bando na Suécia. Os crimes mortais aumentaram quase 40% num ano no país. Para refrear o problema, o governo defende uma política de imigração mais restritiva e mais deportações. Esta é uma moeda de troca utilizada pelos partidos da coligação governamental para assegurar o apoio do partido de extrema-direita Democratas Suecos.

Governo sueco lança campanha no estrangeiro para reduzir o número de pessoas a vir morar para o país.

"A maioria dos jovens suspeitos nasceu na Suécia. Eles são suecos. Para onde é que os vão enviar?", questiona-se Clarissa Seidou, uma agente da polícia comunitária de Rinkeby.

Mustafa Andic, agora residente em Sundbyberg, acrescenta que, se tivessem sido dados empregos a esses jovens e se eles tivessem aprendido sueco, ter-se-iam integrado na sociedade. Andic acredita que os políticos deveriam lidar com a causa originária da violência de gangues, em vez de discutirem sobre uma ponte.

Andreas Cervenka, autor do livro "Suécia Gananciosa", vencedor do Prémio de Jornalismo Sueco, culpa os cortes fiscais e as políticas de privatização, pela desigualdade. O escritor diz que isto faz da Suécia "um dos países mais desiguais do mundo, com uma elite muito rica e um grande grupo economicamente vulnerável".

Agravada pela crise e pela inflação, a precariedade está a afetar cada vez mais suecos, diz Jonas Wihlstrand, o chefe da principal instituição de caridade do país, Stadsmissionen. "O número de pessoas que procuram ajuda aumentou drasticamente este ano. É uma nova situação, a sociedade civil precisa de assumir a responsabilidade de alimentar as pessoas. Não queremos ver isto acelerar, e isso é da responsabilidade dos políticos!", conclui.

Euronews
Mustafa é taxista, cresceu em Rinkeby e vive agora em Sundbyberg, do outro lado da ponte.Euronews
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A morte lenta da indústria pesqueira irlandesa

Emigração em massa na Albânia e as consequências para o país

Muitos estudantes de Paris dependem de ajuda alimentar para viver