EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Muitos estudantes de Paris dependem de ajuda alimentar para viver

Muitos estudantes de Paris dependem de ajuda alimentar para viver
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Valérie Gauriateuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Cerca de 20% dos estudantes franceses vivem abaixo do limiar da pobreza. Quando se estuda e trabalha, ao mesmo tempo, o risco de reprovação é multiplicado por três

PUBLICIDADE

Em França, há cada vez mais estudantes que dependem da ajuda alimentar. Um fenómeno que afeta um número crescente de jovens, em toda a Europa.

Em Paris, associações de estudantes organizam, regularmente, sessões de distribuição de alimentos desde a pandemia.

euronews
Estudantes de Paris na fila para receber ajuda alimentareuronews

O impacto da Covid-19 e da inflação

Depois da crise da Covid-19, o aumento dos preços da energia e das rendas, manteve numerosos jovens numa situação de grande precariedade.

Mustafa está no quinto ano do curso de História, em Paris. Recebe uma bolsa de 270 euros e paga 220 euros de renda. "Não me resta grande coisa. Felizmente, podemos contar com a ajuda de associações de estudantes, como a Cop1, que ajudam os estudantes em dificuldade", contou-nos o estudante francês.

euronews
Depois do pagamento da renda, sobre pouco para comida.euronews

Estudantes que trabalham correm maior risco de reprovar

Muitos estudantes são obrigados a trabalhar para pagar os estudos. Théophile não tem ajuda dos pais e trabalha vinte horas por semana no bar da universidade. Eestá exausto. Este ano, não tem ido às aulas e não vai fazer exames. "Não posso dar-me ao luxo de deixar o meu trabalho", confessou o estudante francês.

"A precariedade entre os estudantes é um enorme fardo mental. Esses estudantes são obrigados a trabalhar. Mas, quando se trabalha mais de doze horas por semana, o risco de reprovação é multiplicado por três", disse à euronews Laure Morin, presidente da Gaelis, federação das associações de estudantes da cidade de Lyon.

Clique no vídeo para ver a nossa reportagem completa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Desigualdades são cada vez maiores na Suécia

Falta de carvão preocupa polacos a dois meses do inverno

Europride em Belgrado: "Quem são os que nos ameaçam? A nossa marcha é pacífica"