EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Rússia fora das cerimónias em homenagem às vítimas do Holocausto

Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy homenageia vítimas do Holocausto
Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy homenageia vítimas do Holocausto Direitos de autor Captura de AFP
Direitos de autor Captura de AFP
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Soldados russos estiveram entre os responsáveis pela libertação de prisioneiros dos campos de concentração nazis.

PUBLICIDADE

No mesmo local dos arredores de Kiev, onde 30 mil judeus foram assassinados pelas tropas nazis em 1941, Volodymyr Zelenskyy colocou, esta sexta-feira, uma vela em homenagem às vítimas. Em plena guerra na Ucrânia, o presidente ucraniano assinalou assim, no memorial Babyn Yar, o dia internacional criado para lembrar as vítimas do Holocausto.

A data foi também celebrada de forma solene do outro lado da fronteira, na Polónia. De um lado e de outro, há vizinhos unidos por memórias reavivadas pela atualidade, conforme destacou em Auschwitz uma sobrevivente dos campos de concentração.

Zdzislawa Wlodarczyk, revelou num discurso durante as celebrações do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto ficar "aterrorizada ao ler relatos sobre uma guerra que se tem desenrolado tão perto", lembrando que "a Rússia, que nos libertou aqui, tem vindo a conduzir uma guerra contra a Ucrânia". 

História de Auschwitz-Birkenau

Os soldados russos, da então União Soviética, estavam entre as tropas que libertaram Auschwitz-Bierkenau, o maior campo de concentração nazi, a 27 de janeiro de 1945, uma data cujas celebrações não contaram, pela primeira vez, com a Rússia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vítimas de abuso sexual na Igreja francesa contestam montante das indemnizações

Justiça russa proíbe site informativo Meduza

Zelensky em Paris: será que Macron vai anunciar o envio de instrutores franceses para a Ucrânia?