Reforma das pensões leva jovens franceses para as ruas

Jovens protestam em Estrasburgo, França, contra a reforma das pensões
Jovens protestam em Estrasburgo, França, contra a reforma das pensões Direitos de autor Jean Francois Badias/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Nara Madeira com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Franceses contra a reforma das pensões, jovens saíram às ruas esta terça-feira a pensar no futuro

PUBLICIDADE

Aos 35 anos, Mylène está longe de se reformar mas talvez a pensar já no futuro decidiu, pela primeira vez na sua vida, participar num protesto. Está contra o aumento da idade da reforma, em França. 

Este é o caso de muitos jovens franceses, que entram no mercado de trabalho mais tarde do que os seus pais. Para Mylène, o facto de ser mulher é mais uma desvantagem. A jovem explicava que quando têm filhos são obrigadas a "tirar licença de maternidade", o que interrompe a sua carreira profissional. Quando regressam ao ativo não trabalham "a tempo inteiro" e isso terá um "impacto" nas suas pensões. "Se esta reforma for aprovada, não poderemos voltar atrás. É agora ou nunca", afirmava a jovem.

Enquanto a Praça de Itália, em Paris, se enche de manifestantes, Mylène junta-se ao seu amigo Benjamin, que lamenta não ter grandes esperanças em relação ao futuro. "Estou a protestar para dizer ao governo que estou farto de todas estas reformas que estão a tentar fazer. Para mim, eles estão a tentar acabar com o setor público", afirmava este jovem.

Emmanuel Macron e o seu governo afirmam que esta reforma é "essencial" para "salvar o sistema francês de pagamento por repartição", idêntico ao que vigora em países como Portugal, ou seja, os trabalhadores que estão no ativo contribuem para os que estão já na reforma. 

Um argumento que não convence os manifestantes. Para Mylène o objetivo da "mobilização" é pôr fim a esta reforma. A jovem acredita que o caminho será longo, que será preciso "fazer muitas manifestações" porque, dizia, eles - o governo e Macron - parecem não estar, de facto, a ouvi-los. Vai levar tempo, acrescentava, mas continua a acreditar.

A mobilização dos jovens será uma das chaves para este movimento de protesto e as sondagens são claras: "a grande maioria dos trabalhadores continua a opor-se a esta reforma", referia o jornalista da euronewsCyril Fourneris.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Senado aprova aumento da idade da reforma em França

Prossegue a contestação à reforma das pensões em França

Milhões aderem à greve geral contra o aumento da idade da reforma em França