Porto de Ravenna volta a acolher "Ocean Viking"

Navio "Ocean Viking" atracado no porto de Ravenna
Navio "Ocean Viking" atracado no porto de Ravenna Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Navio de resgate da SOS Mediterrâneo transportava 84 migrantes a bordo, incluindo 58 menores não acompanhados

PUBLICIDADE

O navio de resgate "Ocean Viking", da ONG SOS Mediterrâneo, foi novamente acolhido em Ravenna, com um grupo de refugiados a bordo.

Graças à experiência anterior neste mesmo porto italiano, em dezembro, o acolhimento foi organizado com rapidez e eficácia.

Michele De Pascale, presidente da Câmara de Ravenna:"Ravenna é uma comunidade que se preocupa com a solidariedade. Disponibilizámos imediatamente a cidade para as chegadas, mesmo se estamos preocupados com a escolha de alongar as rotas dos barcos de resgate."

O presidente da região de Emilia Romagna também marcou presença para receber o "Ocean Viking", frisando a preocupação com a posição da Europa acerca da redistribuição de migrantes.

Stefano Bonaccini, presidente da região de Emilia Romagna:"Precisamos de um sistema de redistribuição de migrantes na Europa, porque apesar de não estarmos numa situação de emergência de momento, podemos chegar a um ponto de rutura em breve. Precisamos que a Europa esteja envolvida. O governo italiano não é muito credível, neste aspeto. Durante anos, gritaram para fecharmos os portos e pôr os italianos em primeiro, e agora, que estão a pedir solidariedade a outros países, como a Suécia ou a Hungria, ouvem: 'Primeiros os húngaros e suecos'. Quando se semeiam ventos, colhem-se tempestades..."

O diretor da SOS Mediterrâneo em Itália está preocupado com os efeitos do chamado decreto das ONGs, aprovado no início de janeiro.

Alessandro Porro, diretor da SOS Mediterrâneo em Itália:"Este decreto trava a capacidade operacional de uma ambulância marítima, como o Ocean Viking, e perturba as operações e a capacidade para estar presente onde há necessidade de um resgate. As pessoas que resgatámos sentem-se agora bastante bem, mas deparámo-nos com situações de desidratação, hipotermia e sofrimento, ligado a tortura e violência nas prisões líbias."

Na mais recente operação, foram resgatadas 84 pessoas, em águas internacionais ao largo da Líbia. Cinquenta e oito são menores, não acompanhados, que, depois de um acolhimento inicial na região de Emilia Romagna, serão relocalizados a nível nacional, noutros pontos de Itália.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Croata bate recorde mundial de mergulho em apneia no gelo

O país mais velho da Europa: o que está por detrás do problema do envelhecimento em Itália?

Buraco abre-se em rua de Nápoles e engole dois carros