Unidas contra o abuso: Sobreviventes da violência doméstica levantam-se para quebrar o silêncio

Unidas contra o abuso: Sobreviventes da violência doméstica levantam-se para quebrar o silêncio
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Reportagem de Julián López em Espanha

PUBLICIDADE

Espanha tem aquela que é amplamente considerada como uma das mais completas e avançadas legislações da União Europeia contra a violência de género. No entanto, no ano passado, mais 50 mulheres foram assassinadas pelos seus parceiros. Isto está abaixo da média da UE por habitante, mas não deixa de ser um número trágico, que tem sido consistente nestes últimos anos.

O que é que está a funcionar corretamente? O que pode ser melhorado? Em busca de respostas, o nosso repórter Julián López viajou para o sul do país e encontrou-se com juristas e, acima de tudo, com sobreviventes.

Euronews
Mural em SevilhaEuronews

Quebrar o silêncio

"Agressão física, psicológica, económica, sexual, social - tudo. Eu penso que a agressão psicológica é a pior. Primeiro, porque não se pode provar. Segundo, porque é preciso muito trabalho para superar todos esses traumas", diz Macarena García Pérez, que foi vítima de violência doméstica durante 23 anos. Hoje, Macarena quer abrir um abrigo para cães. Dar-lhes o que lhe foi negado é terapêutico: "Acredito que se eles me ajudarem, também podem ajudar outras mulheres", diz .

Euronews
Macarena García Pérez e um dos seus cãesEuronews

"Quarenta por cento das mulheres não se apercebem que são vítimas de abuso. Damos formação ao pessoal da empresa para que possam agir como agentes de mudança contra a violência de género, identificar vítimas invisíveis e ajudá-las a quebrar o silêncio. Nós não somos o problema. Somos parte da solução", diz Ana Bella Estévez, uma vítima de violência doméstica durante 11 anos. A fundação que criou reúne 30 mil mulheres em 82 países para ajudar vítimas de violência através de apoio jurídico e psicológico, bem como da organização de workshops sobre prevenção da violência.

Recursos insuficientes para fazer cumprir a legislação

Os advogados da fundação denunciam a falta de recursos para aplicar devidamente a legislação existente. Por exemplo, existem recursos para até 3500 dispositivos eletrónicos de monitorização para assegurar uma proteção especial, mas 75.000 mulheres maltratadas precisariam de um. O Observatório contra a Violência Doméstica e de Género afirma que é necessário mais investimento em assistência social, financeira e psicológica. A insuficiência de recursos leva muitas mulheres a retirar as denúncias.

Masculinidade responsável

Euronews
O educador David Cerón e um grupo de jovens jogadores de futebol durante um workshop sobre masculinidade saudável organizado pela Fundación Iniciativa Social.Euronews

A educação é também essencial. Segundo David Cerón, educador da Fundación Iniciativa Social (FIS), que organiza workshops sobre masculinidade responsável, não importa quantas leis são aplicadas: "Há rapazes que, como rapazes, acreditam ter o direito de controlar as raparigas e de exercer violência sobre as mulheres. Ou esta ideia é alterada pelos próprios adolescentes do sexo masculino, ou nenhuma lei a alterará. Quanto mais cedo começarem a compreender que não é exercendo violência, que não é sendo mais fortes ou ostentando mais que eles são mais masculinos, então pouco a pouco poderá ser estabelecido um comportamento mais justo e saudável", diz.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Violência: Eurodeputados aprovam ratificação da Convenção de Istambul

Um arquiteto juntou-se a 17 famílias e nasceu a primeira cooperativa de habitação em Madrid

Só em janeiro, Canárias receberam mais migrantes do que na primeira metade de 2023