EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Xi Jinping: "Relações estratégicas" com Moscovo são "prioridade"

Presidente da China, Xi Jinping e o primeiro-ministro da Rússia, Mikhail Mishustin, em Moscovo
Presidente da China, Xi Jinping e o primeiro-ministro da Rússia, Mikhail Mishustin, em Moscovo Direitos de autor Dmitry Astakhov/Sputnik
Direitos de autor Dmitry Astakhov/Sputnik
De  Maria Barradas com Agências
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No segundo dia da visita à Rússia, o presidente da China disse que as" relações estratégicas" entre os dois países são uma "prioridade" para Pequim.

PUBLICIDADE

O presidente chinês disse esta terça-feira na Rússia que as "relações estratégicas" entre Moscovo e Pequim, são uma "prioridade" para a China.

Xi Jinping fez estas declarações durante o encontro com o primeiro-ministro russo, Mikhail Mishustin.

De acordo com as agências russas, Xi, que tem previsto novo encontro com Vladimir Putin, esta terça-feira, terá convidado o presidente da Rússia a visitar a China ainda este ano.

Nestas declarações e no convite parecem implícitas duas ideias: o apoio tácito, mas não pronunciado de Pequim à operação militar russa na Ucrânia e um sinal claro para o TPI que emitiu um mandado de captura contra o senhor do Kremlin.

Durante a primeira reunião entre os dois líderes, que durou mais de quatro horas, Putin terá dito a Xi estar pronto a discutir uma iniciativa de Pequim para pôr fim ao conflito.

Mas, após esta visita, o papel de intermediário do conflito que a China tem tentado incarnar parece cada vez menos credível para o mundo ocidental. Washington acusa mesmo as autoridades chinesas de considerarem a entrega de armas à Rússia, o que elas negam.

O chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, disse na segunda-feira que o facto de XI ter visitado a Rússia apenas três dias após o mandado de captura emitido pelo TPI, sugere que a China não sente a necessidade de "responsabilizar o presidente russo pelas atrocidades infligidas à Ucrânia".

Outros acreditam que a China nunca seria um mediador imparcial e poderia mesmo usar o ataque da Rússia na Ucrânia como uma oportunidade para tomar posse de Taiwan.

Fumio Kishida em Kiev

Esta terça-feira Xi e Putin realizam o encontro formal, seguido de conferência de imprensa e o jantar de Estado e, coincidência, ou não, enquanto o líder da China mostra ao mundo o seu apoio a Moscovo, o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, realiza uma visita não anunciada à Ucrânia.

Segundo a diplomacia nipónica, o chefe do governo japonês vai transmitir a Volodymyr Zelenskyy "o seu respeito pela coragem e perseverança do povo da Ucrânia que defende a sua pátria sob a sua liderança, bem como a infalível solidariedade e apoio à Ucrânia por parte do Japão e do G7".

Fumio Kishida era o único líder do G7 que ainda não tinha visitado Kiev desde o início da ofensiva russa contra a Ucrânia, em fevereiro de 2022, apesar de Tóquio se ter juntado às sanções ocidentais contra a Rússia logo no início da invasão e de ter anunciado mais de cinco mil milhões de euros de ajuda à Ucrânia.

Zelenskyy diplomata

Em Kiev a visita de Xi Jinping a Moscovo está a ser gerida "com pinças". Volodymyr Zelenskyy não quer lançar farpas à gigante China, porque o país poderá ainda ser útil como mediador no conflito e até como investidor e parceiro comercial na reconstrução do país e no pós-guerra.

Por outro lado, muito se tem falado de uma possível conversa entre Xi Jinping e Voldymyr Zelenskyy depois desta vista à Rússia do líder chinês. Até agora, Pequim não confirmou nem desmentiu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia assume presidência do Conselho de Segurança da ONU. E agora?

Zelenskyy pronto para encontro com Xi Jinping

Zelenskyy quer falar com Xi Jinping sobre paz na Ucrânia