Direito Internacional não considera urânio empobrecido "componente nuclear"

Especialistas negam que urânio empobrecido tenha "componente nuclear"
Especialistas negam que urânio empobrecido tenha "componente nuclear" Direitos de autor Gertrud Zach/Public Domain (7th Army Training Command)
Direitos de autor Gertrud Zach/Public Domain (7th Army Training Command)
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Reino Unido revelou que algumas munições dos tanques que ia enviar para a Ucrânia continham urânio empobrecido. Moscovo acusou Londres de "usar armas com componente nuclear", mas o Direito Internacional não considera o urânio empobrecido um "componente nuclear".

PUBLICIDADE

O Reino Unido revelou que algumas munições dos tanques que ia enviar para a Ucrânia continham urânio empobrecido. Moscovo acusou Londres de "usar armas com componente nuclear", mas o Direito Internacional não considera o urânio empobrecido um "componente nuclear".

"Não são consideradas armas nucleares. Não têm uma componente nuclear e, por isso, não estão cobertas por tratados de não-proliferação de armas nucleares. Estariam sujeitas às mesmas restrições de controlo de exportação que qualquer munição convencional. Portanto, a declaração russa de que isto é, de alguma forma, a transferência de uma capacidade nuclear é completamente incorreta", explica John Erath, diretor de política do Centro de Controlo de Armas e Não-Proliferação. 

De acordo com especialistas, o Kremlin está bem ciente disto, porque também existem munições destas no exército russo, mas Moscovo aproveitou a oportunidade para fazer mais ameaças nucleares.

"A Rússia está a dizer que usar algo que uma mente predisposta possa relacionar com as armas nucleares, aumenta a hipótese de que nós, Rússia, usemos uma arma nuclear. Portanto, este tem sido o padrão quase desde o início da guerra, com estas ameaças de que o apoio contínuo do Ocidente à Ucrânia poderia levar à utilização de armas nucleares", afirma John Erath. 

Ao mesmo tempo, de acordo com vários especialistas, estas munições, ou melhor, os seus resíduos representam um perigo. Ao romper a blindagem, o núcleo de urânio transforma-se em poeira fina, composta principalmente por óxidos de urânio. Se inalada ou ingerida, esta poeira pode causar graves consequências.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia vai receber munições com urânio empobrecido que dividem Europa

Putin e os planos de enviar armas nucleares para a Bielorrússia

Como os drones "kamikaze" Shahed do Irão estão a ser utilizados na Ucrânia