EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Ucrânia vai receber munições com urânio empobrecido que dividem Europa

Munição de urânio empobrecido usada
Munição de urânio empobrecido usada Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Giorgia OrlandiEuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O envio de munições feitas com este material tóxico por parte do Reino Unido foi contestado por Moscovo, Rússia denúncia recurso a armas nucleares.

PUBLICIDADE

A decisão de o Reino Unido enviar para a Ucrânia munições feitas com urânio empobrecido voltou a colocar na ordem do dia um problema antigo. O uso de munições semelhantes por parte da NATO durante o bombardeamento da Jugoslávia, em 1999, é ainda hoje objeto de estudos devido aos riscos que o material tóxico apresenta para a saúde.

Angelo Tartaglia é advogado e tem defendido militares italianos a sofrer consequências da exposição a armas com urânio empobrecido. 

Nos último 20 anos, ganhou mais de 300 processos judiciais onde ficou comprovada a relação entre o uso do componente e várias doenças oncológicas.

Mas a falta de legislação a nivel nacional torna todo o processo mais complicado.

"Tem de haver uma reflexão sobre os riscos e as consequências, se há coisas que se podem fazer em guerra, ou não.  Tal como em Itália foi implementada uma nova lei militar, numa mudança total, é necessário que se crie uma lei a nível europeu", defende.

Guerra na Ucrânia pode provocar "efeito quase irreversível"

Só em Itália cerca de 400 soldados morreram e 8.000 estão gravemente doentes após a exposição a urânio empobrecido durante a guerra na Jugoslávia.

As munições em causa têm sido usadas noutros campos de batalha, como o do Iraque e o do Afeganistão. 

Apesar de o Parlamento Europeu já ter aprovado resoluções a apelar à proibição de armas com urânio empobrecido, alguns Estados são contra. E os efeitos, alertam os especialistas, vão muito além da guerra. 

Lembrando o atual conflito na Ucrânia, Tartaglia lembra que "há a possibilidade de que tanto oficiais militares russos, como ucranianos, adoeçam, mas vai sobretudo haver um efeito quase irreversível no ambiente, com consequências para os civis". 

O Reino Unido alega que apesar de possuirem algumas propriedades radioativas as munições apresentam um baixo risco e não podem ser comparadas a armas nucleares. O recurso a este tipo de armamento é justificado pela Defesa britânica pela sua eficácia contra veículos blindados.

No entanto, com base na jurisprudência italiana, alguns partidos em Bruxelas preparam-se para voltar a apelar no Parlamento Europeu à proibição de armamento com urânio empobrecido

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ato de Apoio à Produção de Munições vai fomentar indústria de defesa

Direito Internacional não considera urânio empobrecido "componente nuclear"

Museu italiano recria floresta de borboletas da Tanzânia