Por que é que os eurodeputados croatas em Bruxelas estão a minimizar o terrorismo e os crimes nazis?

Zvonko Busic, com barba, é conduzido de um avião sob custódia policial no Aeroporto Kennedy, Nova Iorque, depois de ter sido preso por pirataria aérea. 12 de Setembro de 1976
Zvonko Busic, com barba, é conduzido de um avião sob custódia policial no Aeroporto Kennedy, Nova Iorque, depois de ter sido preso por pirataria aérea. 12 de Setembro de 1976 Direitos de autor AP/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Representantes da Croácia têm vindo recentemente a organizar eventos dedicados a, ou com figuras de reputação menos recomendável. Porquê?

PUBLICIDADE

Recentemente, eurodeputados croatas organizaram eventos em Bruxelas, parecendo disfarçar questões controversas ligadas ao terrorismo e a colaboradores nazis da história da Croácia.

Zeljana Zovko, uma representante da União Democrática Croata, ou HDZ, participou num seminário na semana passada como parte da série de eventos do grupo do Partido Popular Europeu no Parlamento Europeu.

De acordo com a premissa do painel, eles concentrar-se-iam nos serviços secretos das antigas nações comunistas, uma vez que "os regimes totalitários do passado podem já não existir, mas os seus serviços secretos e suas redes continuam vivos", disse Zovko.

O evento contou com uma apresentação de Zdravka Bušić, membro da Resistência Nacional Croata ou Otpor durante a década de 1970, uma organização de extrema-direita responsável por vários ataques terroristas em todo o mundo.

"Tenho a certeza que ela [Bušić] contribuirá significativamente para este seminário com o seu profundo conhecimento e experiência pessoal sobre esta questão", continuou Zovko.

Otpor foi fundada por Vjekoslav "Maks" Luburić, o notoriamente brutal chefe de vários campos de concentração encontrados no Estado Independente da Croácia (NDH), um Estado fantoche nazi que se encontra no território da actual Croácia, Bósnia-Herzegovina, e partes da Sérvia durante a Segunda Guerra Mundial.

O irmão de Zdravka participou no sequestro do avião da Trans World Airlines em Setembro de 1976 com destino a Chicago e plantou uma bomba na Grand Central Station em Nova Iorque, exigindo que um apelo à independência da Croácia não fosse publicado em importantes jornais norte-americanos.

AP/AP
Avião da Trans World Airlines sequestrado em Setembro de 197AP/AP

O avião foi redirecionado para Montreal e depois para Newfoundland, onde foram libertados 35 passageiros. Após negociações com o embaixador dos EUA em Paris, os atacantes renderam-se.

Um polícia de Nova Iorque foi morto ao desmantelar a bomba e os autores foram condenados por pirataria aérea.

Por que estava Zdravka Bušić a falar no Parlamento Europeu?

O painel apelou à abertura dos arquivos do Estado dos antigos serviços secretos comunistas, "a fim de poder investigar e abordar plenamente as estruturas existentes da era comunista e os seus crimes".

Bušić e o seu irmão foram reabilitados após a queda da Jugoslávia e a declaração de independência da Croácia. Ela foi uma representante no Parlamento da Croácia e uma MPE após a entrada da Croácia na UE em 2013.

Na sua apresentação, Bušić centrou-se nas actividades da segurança estatal da ex-Jugoslávia ou UDBA, que acusou de cometer crimes hediondos, incluindo prisões, torturas, e assassinatos daqueles que se considera estarem envolvidos em "actividades hostis contra o Estado".

"Muitos indivíduos da jovem geração croata acreditavam que a criação do Estado independente e democrático da Croácia era de importância crucial", explicou ela no evento.

Bušić não abordou directamente - ou sequer mencionou - as actividades em que ela, o seu irmão e o seu marido participaram e pelas quais foram condenados, apesar de ter feito vários comentários sobre as actividades das comunidades croatas imigrantes ou da diáspora, de acordo com a gravação do evento obtida pela Euronews.

Alexis Haulot/ European Union 2013 - EP
Zdravka BušićAlexis Haulot/ European Union 2013 - EP

Por que se fala hoje em dia de crimes comunistas?

Bušić insistiu que os "descendentes biológicos e seguidores ideológicos [dos comunistas] detêm muito poder na era moderna" e que a ideologia comunista tinha deixado uma "clara contaminação" na sociedade croata.

Embora à primeira vista o tema de discussão possa parecer razoável, o que Bušić e outros oradores não conseguiram abordar foi o facto de que falar sobre crimes comunistas continua a ser uma mensagem codificada de extrema-direita para os ultra-nacionalistas e apologistas do nazismo que promovem ideias que encorajam a discriminação hoje em dia.

Os pontos de discussão destinam-se a alimentar os medos e a justificar as suas crenças, diz Michael Colborne, jornalista e investigador da Bellingcat, que cobriu extensivamente a Croácia e os Balcãs.

"Exploram sentimentos anticomunistas que, compreensivelmente, existem não só em antigos países comunistas ou socialistas, mas também noutros lugares", disse Colborne à Euronews.

PUBLICIDADE

"Tem sido sempre uma táctica da extrema-direita, que remonta ao capital-fascista original em Itália: explorar os medos e a aversão das pessoas pelo comunismo - reais ou percebidos, justificados ou não - e oferecer a si próprios e às suas ideias como a única coisa que os pode proteger", continua.

"Há uma relutância em condenar abertamente estes crimes porque são entendidos como minando a própria identidade e segurança da nação", explicou ele.

Segundo Colborne, muitas pessoas não serão capazes de compreender que para muitos países da Europa Central e Oriental, "as suas identidades e a sua própria existência têm estado ameaçadas em vários pontos da sua história recente, de uma forma que, por exemplo, o meu país natal, o Canadá, os Estados Unidos, ou o Reino Unido, não têm estado".

Em Março, Zovko participou na organização de um evento no Parlamento Europeu em honra do Arcebispo Alojzije Stepinac. Apesar de alguns afirmarem que Stepinac salvou membros da população judaica local enquanto ocupava o cargo durante o estado fantoche nazi da Croácia, ele nunca condenou o regime nazi e foi um dos primeiros apoiantes das leis raciais que visavam a população judaica.

"Condenar estes crimes do passado significa minar e ameaçar não só a identidade do país, mas a própria existência do país hoje", conclui Colborne.

PUBLICIDADE

A Euronews contactou a União Democrática Croata para comentar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente alemão pede desculpa por crimes nazis na Polónia

Nazi de 101 anos condenado a 5 anos de prisão por cumplicidade em crimes durante Holocausto

Sentenças confirmadas para grupo neonazi