EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Presidente alemão pede desculpa por crimes nazis na Polónia

Presidente israelita, Isaac Herzog, com presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier e homólogo polaco,Andrzej Duda, em Varsóvia
Presidente israelita, Isaac Herzog, com presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier e homólogo polaco,Andrzej Duda, em Varsóvia Direitos de autor Czarek Sokolowski/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Czarek Sokolowski/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Frank-Walter Steinmeier discursou na cerimónia do 80.° aniversário da revolta judia no gueto de Varsóvia.

PUBLICIDADE

A Polónia iniciou esta quarta-feira as celebrações dos 80 anos da revolta do gueto de Varsóvia. 19 de Abril de 1943 ficou para a História como o dia em que centenas de judeus se revoltaram contra os nazis, preferindo morrer a lutar do que nas câmaras de gás que os esperavam.

A homenagem aos heróis contou com a presença do presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, que pediu desculpa pelos crimes cometidos há oito décadas.

"Sinto a nossa responsabilidade pelos crimes do passado e a responsabilidade pelo nosso futuro comum", afirmou Steinmeier, no discurso lido durante a cerimónia.

O gueto de Varsóvia foi criado pelos alemães, em 1940, no ano seguinte à invasão da Polónia, e correspondia a uma área com cerca de três quilómetros quadrados, onde os nazis amontoaram quase meio milhão de judeus.A maioria estava destina a morrer à fome, por epidemias, ou a ser deportada para os campos de concentração de Treblinka.

Após um mês de combates, a insurreição acabou por ser calada pelas forças alemãs. Apesar de em maior número, mais bem equipados e nutridos, os nazis só viram a vitória chegar depois de começarem a atear fogo aos prédios do gueto, obrigando os judeus a sair dos esconderijos. Terão sido capturados cerca de 50 mil pessoas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Por que é que os eurodeputados croatas em Bruxelas estão a minimizar o terrorismo e os crimes nazis?

Em busca do tesouro Nazi nos Países Baixos

Ex-secretária de um campo de concentração nazi condenada aos 97 anos