Três crianças entre os 17 mortos nos bombardeamentos russos de sexta-feira

Equipas de socorro trabalham nos escomnbros dos edifícios atingidos em Uman, Ucrânia
Equipas de socorro trabalham nos escomnbros dos edifícios atingidos em Uman, Ucrânia Direitos de autor AP Photo/Bernat Armangue
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dnipro, Uman e Kiev foram alvejadas pelas forças afetas ao Kremlin às primeiras horas desta sexta-feira. Buscas nos prédios atingidos prosseguem

PUBLICIDADE

Pelo menos 17 pessoas morreram, incluindo uma criança de três anos e duas de 10 após os bombardeamentos russos desta manhã contra pelo menos três cidades da Ucrânia, incluindo a capital Kiev. Os ataques fizeram ainda mais de duas dezenas de feridos.

Os ataques aconteceram dois dias depois de o Presidente ucraniano ter falado ao telefone com o homólogo da China sobre um eventual processo de paz, com Xi Jinping a defender perante Zelenskyy a integridade territorial da Ucrânia.

O primeiro ataque russo registado aconteceu em Dnipro, 80 quilómetros a norte de Zaporíjia. "Uma jovem mulher e uma criança de três anos foram mortas", informou o presidente da câmara da cidade, Borys Filatov, pela rede social Telegram.

Na cidade de Uman, pouco mais de 200 quilómetros a sul de Kiev, pelo menos 15 pessoas morreram, incluindo as duas crianças de 10 anos, e mais de duas dezenas ficaram feridas após dois mísseis russos terem atingido três blocos de apartamentos, informou o governador local, Ihor Taburets.

Na capital, 21 dos 23 mísseis russos disparados foram neutralizados. "Após 51 dias de pausa, o inimigo lançou um novo ataque com mísseis sobre Kiev. De acordo com as informações ainda a ser esclarecida, o bombardeamento partiu de de aviões estratégicos", revelou a administração militar da cidade de Kiev.

Além dos 11 mísseis destruídos, também duas aeronaves não tripuladas foram abatidas. Duas pessoas ficaram feridas em Ukrainka, na região de Kiev, tendo a queda de destroços dos mísseis neutralizados atingido a rede elétrica.

Os alarmes de ataques aéreos foram acionados por todo o país. A agência Interfax refere também explosivas ouvidas nas cidades de Kremenchuk e Poltava

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tensão entre os mercenários russos em Bakhmut

Ucrânia aposta na indústria de defesa nacional enquanto aguarda por mais munições dos aliados

Escassez de mísseis de defesa aérea limita a capacidade da Ucrânia