Sérvios exigem demissões no governo e encerramento dos media públicos

Manifestações contra a violência e a posse de armas de fogo na Sérvia
Manifestações contra a violência e a posse de armas de fogo na Sérvia Direitos de autor Darko Vojinovic/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Maria Barradas com Agências
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os sérvios exigem mudanças no governo e encerramento de medias, numa altura em que milhares de polícias são enviados para as escolas e as armas começam a ser recolhidas.

PUBLICIDADE

Na Sérvia, cresce a indignação após os tiroteios da semana passada.

Apesar das medidas de recolha e controlo da armas anunciadas pelo governo, os sérvios acusam o executivo e os media de serem responsáveis pela violência.

Esta segunda-feira milhares de pessoas saíram à rua em protesto. Exigem a demissão de alguns ministros e o encerramento dos media controlados pelo estado que acusam de promoverem a violência e acolherem frequentemente criminosos de guerra condenados.

O governo está a destacar agentes da polícia para a proteção das 1800 escolas do país, numa altura em que os alunos regressam às aulas normais após o tiroteio em massa da semana passada.

O presidente, Aleksandar Vučić, também exigiu uma redução de 90 % das armas de fogo em circulação. Durante um mês as armas poderão ser entregues voluntariamente, sem que as autoridades coloquem questões sobre a sua origem.

"As medidas são tais que amanhã começaremos a confiscar armas de fogo ilegais. As pessoas têm um mês para entregar armas e munições sem consequências. Ninguém vai perguntar como é que arranjaram essas armas. Basta entregá-las. É tudo".

Vucic, condenou os protestos e acusou a oposição de estar a aproveitar-se de uma tragédia nacional para promover os seus próprios interesses e disse estar pronto para estar o seu partido numa eleição antecipada.

"Vou continuar a trabalhar e nunca recuarei perante a rua e a multidão. Veremos se será uma remodelação do governo ou uma eleição", afirmou na televisão.

As próximas eleições legislativas estão previstas para 2026, mas o governo pode não chegar até lá.

A Sérvia está em choque depois de um jovem de 13 anos ter disparado sobre os seus colegas de turma e ter matado oito crianças e um adulto; e um atirador de 20 anos ter matado mais oito pessoas em três localidades numa região ao sul de Belgrado. No total, o país chora a morte de 17 pessoas, entre as quais oito crianças.

"É necessário reconstruir o sistema a partir do zero, incluindo o sistema educativo. Sou mãe de dois estudantes e quero que eles vivam numa época melhor do que a minha, nos anos 90, 2000 e hoje", diz uma mãe de família.

Um homem comenta: "Toda a atmosfera na sociedade foi criada pelo sistema, especifico de o 'primeiro homem' que é o principal iniciador desta tragédia sérvia".

A Sérvia tem o nível mais elevado de posse de armas na Europa, com cerca de 39 em cada 100 pessoas a possuírem armas de fogo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Escola sérvia torna-se num memorial às vítimas de tiroteio

Ataques na Sérvia geram discussão sobre a posse de armas

Novo tiroteio faz oito mortos e 14 feridos na Sérvia