EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

França quer que UE classifique o Wagner como grupo terrorista

Yevgeny Prigozhin, líder do grupo Wagner, com os seus mercenários
Yevgeny Prigozhin, líder do grupo Wagner, com os seus mercenários Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O grupo Wagner semeia o terror na Ucrânia e noutors pontos do globo. A França quer que a UE o inclua na sua lista de organizações terroristas.

PUBLICIDADE

A Assembleia Nacional francesa adoptou uma resolução que apela à União Europeia para que classifique os mercenários russos do grupo Wagner como um "grupo terrorista".

A resolução, que não é vinculativa, foi aprovada com o apoio unânime de todo o espetro político francês. 

 "Onde quer que trabalhem, os membros do Wagner espalham a instabilidade e a violência", afirmou o deputado francês Benjamin Haddad, autor da proposta. "Matam e torturam. Massacram e pilham. Intimidam e manipulam com quase total impunidade", acrescentou.

Haddad diz esperar que a resolução encoraje os 27 Estados-membros da UE a incluir o Wagner na sua lista oficial de organizações terroristas.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy agradeceu aos deputados franceses pela adopção da resolução.

"Agradecimentos especiais ao parlamento francês pela decisão de hoje de reconhecer o grupo pseudo-privado russo Wagner como uma organização terrorista. Isto é algo que deve ser adoptado por todo o mundo - todas as manifestações de terrorismo devem ser destruídas e todos os terroristas devem ser condenados".

A tendência não é nova. A Grã-Bretanha já está a preparar-se para classificar formalmente o grupo Wagner, como uma organização terrorista, para aumentar a pressão sobre a Rússia, segundo noticiou a imprensa britânica na terça-feira.

A 6 de fevereiro, o parlamento ucraniano reconheceu o grupo Wagner como uma organização criminosa internacional e apelou aos governos estrangeiros para que fizessem o mesmo.

O Departamento do Tesouro dos EUA designou os mercenários do grupo Wagner como uma "importante organização criminosa transnacional" e impôs sanções à sua rede de apoio em todo o mundo a 26 de janeiro.

A 25 de fevereiro, o Conselho Europeu sancionou mais 11 pessoas e 7 entidades ligadas ao crime do Wagner, tanto no continente africano como na Ucrânia.

O fundador do Wagner, Yevgeny Prigozhin, e os membros mais próximos da sua família, já foram sujeitos a sanções financeiras por vários países, incluindo os EUA e a Ucrânia em 2022 e o Reino Unido em 2020.

O líder do Wagner, o grupo que tem semeado o terror na Ucrânia e está a combater em Bakhmut, começa a ficar numa situação delicada. Sem munições para o combate e depois de insultar todas as chefias militares russas, ameaçou retirar-se da frente de batalha, tendo recebido o aviso de que "se abandonar o campo de batalha será considerado traidor".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Terroristas travados na Alemanha e nos Países Baixos

O papel do grupo Wagner no conflito no Sudão

Líder do Grupo Wagner desmente Moscovo