Como a "diplomacia do terramoto" está a ajudar as relações greco-turcas

Terramoto de fevereiro deste ano, na Turquia
Terramoto de fevereiro deste ano, na Turquia Direitos de autor Francisco Seco/AP
Direitos de autor Francisco Seco/AP
De  Foteini Doulgkeri
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Tal como aconteceu com o terramoto de 1999, também as tragédias ocorridas em fevereiro na Turquia ajudaram a estreitar as relações entre Atenas e Ancara.

PUBLICIDADE

Os terramotos devastadores ocorridos na Turquia em fevereiro foram a razão para a melhoria do clima entre a Grécia e a Turquia, que apesar de aliados na NATO protagonizaram tensões durante vários anos no mar Egeu.

A atividade turca nas zonas disputadas baixou. Também a troca de palavras entre responsáveis políticos gregos e turcos se suavizou, nos últimos tempos. As melhores relações entre Atenas e Ancara não se devem apenas aos terramotos. Os analistas tinham previsto que haveria um período de acalmia antes das eleições turcas e gregas, que acontecem com uma semana de intervalo uma da outra.

Explica Alexandros Diakopoulos, antigo conselheiro de Segurança Nacional do primeiro-ministro grego: ''É muito cedo para falar de uma nova página (nas relações entre os dois países), porque as posições dos dois lados são demasiado divergentes para se poder ser otimista quanto a uma solução. A melhoria das relações não significa que os problemas tenham desaparecido. Significa apenas que não estamos numa situação que possa conduzir a uma crise".

A melhoria das relações não significa que os problemas tenham desaparecido.
Alexandros Diakopoulos
Ex-conselheiro do PM grego

Em 1999, os terramotos na Grécia e na Turquia aproximaram as duas margens do Egeu. Como resultado da chamada "diplomacia do terramoto" que se seguiu, em dezembro de 1999, no Conselho Europeu de Helsínquia, a Grécia adotou uma nova abordagem da perspetiva de adesão da Turquia à União Europeia e conseguiu dissociar a adesão de Chipre da resolução da questão cipriota".

Uma nova página

Soner Çagaptai, analista turco, autor e diretor do programa de investigação turco no Washington Institute, considera que a diplomacia do terramoto voltará a ser positiva para as relações greco-turcas.

"Penso que é uma página completamente nova, penso que aquilo a que chamo diplomacia do terramoto na Turquia fez realmente a diferença, a enorme quantidade de ajuda que a Grécia enviou para a Turquia e também fez um bom trabalho em termos de diplomacia pública. Não é frequente um primeiro-ministro grego fazer um tweet em turco e receber dezenas de milhares de gostos. Penso que os cidadãos turcos apreciaram muito a ajuda que a Grécia enviou, e esta ajuda mudou realmente o estado de espírito do país em relação à Grécia. Penso que, em geral, isto é quase como o que vimos em 1999, no rescaldo do grande terramoto da altura, quando as relações greco-turcas entraram num período de dez anos de melhoria", diz.

Não é frequente um primeiro-ministro grego fazer um tweet em turco e receber dezenas de milhares de gostos.
Soner Çagaptai
Investigador no Washington Institute

Os próximos meses dirão se esta mudança nas relações entre os dois países será duradoura ou se foi puramente circunstancial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Embaixador da Autoridade Nacional Palestiniana em Espanha: "É possível que já estejamos a viver uma guerra mundial"

Acidente com teleférico na Turquia causa um morto e sete feridos

Sul-coreanos despedem-se, emocionados, de panda gigante