EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Rússia envia submarino nuclear para Cuba para reavivar diplomacia naval

Marinha russa participa em exercícios a bordo do navio Kazan (imagem do Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa russo, divulgada na  terça-feira, 11 de junho de 2024)
Marinha russa participa em exercícios a bordo do navio Kazan (imagem do Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa russo, divulgada na terça-feira, 11 de junho de 2024) Direitos de autor AP/Russian Defense Ministry Press Service
Direitos de autor AP/Russian Defense Ministry Press Service
De  euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O submarino nuclear russo Kazan atracou no porto de Havana juntamente com a fragata lança-mísseis Gorshkov. Os EUA seguem estas movimentações de perto.

PUBLICIDADE

Uma frota de navios de guerra da Rússiaatracouem Havana esta quarta-feira. Os navios que levam o estandarte de Santo André - a bandeira da marinha russa - estão a ser observados de perto pela marinha norte-americana, particularmente interessada em ver de perto a capacidade militar da frota rival.

O grupo é composto por duas jóias da coroa da Marinha russa: o submarino de mísseis de cruzeiro de propulsão nuclear Kazan e a fragata de mísseis Admiral Gorshkov. Nenhum deles transporta armas nucleares.

Dois navios auxiliares, um petroleiro e um rebocador de salvamento, apoiam as duas unidades de combate marítimo.

Jogos de guerra sob o sol das Caraíbas

A caminho de Cuba, mostraram o seu poderio militar naval. Os navios realizaram exercícios "sobre a utilização de armas de mísseis de precisão no Oceano Atlântico", anunciou o comandante da Marinha da russa, Alexander Moiseyev.

Este regresso da presença militar russa a Cuba está a decorrer sem grandes incidentes e é bem acolhido pelo regime de Havana. Acontece após anos de isolamento, após o fim da União Soviética, em 1989, ano em que o líder soviético Mikhail Gorbachov visitou a ilha.

Durante o exercício, as tripulações da fragata e do submarino de propulsão nuclear praticaram a utilização de armas de mísseis de alta precisão através de modelos informáticos contra alvos marítimos, que indicam grupos de navios do inimigo condicional e estão localizados a uma distância de mais de 600 quilómetros.

De acordo com fontes do Ministério da Defesa russo "os navios passaram a algumas dezenas de quilómetros da costa da Florida".

Num vídeo divulgado pelo Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa russo na terça-feira, a fragata Admiral Gorshkov da marinha russa é vista a caminho de Cuba
Num vídeo divulgado pelo Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa russo na terça-feira, a fragata Admiral Gorshkov da marinha russa é vista a caminho de CubaAP/Russian Defense Ministry Press Service

Caça aos submarinos ao largo de Miami

A Marinha dos EUA tem estado a seguir o rasto do submarino nuclear com o avião "caçador de submarinos" P-8 Poseidon.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros de Cuba informou que os navios de guerra russos vão permanecer em Havana até esta segunda-feira, 17 de junho, referindo que nenhum deles transportará armas nucleares e assegurando que a sua presença "não constitui uma ameaça para a região".

Havana quer evitar qualquer paralelo com a crise dos mísseis cubanos de 1962, quando a tentativa soviética de instalar ogivas nucleares na ilha dominada pelos comunistas, a apenas 150 quilómetros do território continental dos EUA, colocou o mundo à beira da Terceira Guerra Mundial.

Esta não é a primeira vez que a Rússia envia os navios de guerra para as Caraíbas. Mas a visita seguiu-se ao aviso dePutin de que Moscovo poderia responder à decisão dos aliados ocidentais da Ucrâniade permitir que Kiev utilize as suas armas para atingir alvos na Rússia. Como parte desta resposta, Putin disse que a Rússia pode fornecer armas semelhantes aos aliados em todo o mundo.

Esta frota militar é também uma missão de diplomacia pública marítima dirigida ao Sul Global. O Kremlin está preocupado em exibir o seu poder naval após os golpes infligidos pelos drones marítimos ucranianos à frota do Mar Negro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Porque é que o Sul Global está contra a lei anti-desflorestação da UE?

Jovens cubanos estarão a ser obrigados a integrar o exército russo na Ucrânia

Sergey Lavrov conclui périplo pela América Latina em Cuba