Como é que o Qatar está a colocar a sustentabilidade no centro da sua economia?

Como é que o Qatar está a colocar a sustentabilidade no centro da sua economia?
Direitos de autor euronews
De  Laila Humairah e Aadel Haleem
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Descubra as formas como o país está a tornar o seu futuro sustentável para as próximas gerações. Desde um local de ensaio solar de vanguarda, a iniciativas para aumentar a sensibilização ambiental.

PUBLICIDADE

Juntar-se à luta contra as alterações climáticas e capacitar as gerações futuras para tomarem medidas significativas: O Qatar está a colocar a sustentabilidade na vanguarda da sua estratégia de crescimento económico. As iniciativas incluem o investimento em energia solar, o estabelecimento de um abastecimento sustentável de alimentos e água e a organização de iniciativas de limpeza que preservam o património do país e aumentam a sensibilização ambiental.

Aperfeiçoar a tecnologia de energia solar

Um dos compromissos do Qatar é reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em 24% e utilizar 20% da sua energia através da energia solar até 2030. Mas como é que um país com tanto sol consegue esse objetivo? O Instituto de Investigação Ambiental e Energética do Qatar está a tratar disso.

A instalação de testes solares ao ar livre do QEERI é um local extenso e é onde o Ben Figgis vai trabalhar todos os dias. Ele e a sua equipa tratam de toda a investigação sobre energia solar, para encontrar as melhores formas de utilizar o sol.

"Estes painéis solares que estão a ver atrás de mim", diz-nos Ben Figgis enquanto mostra uma vasta gama de painéis, "basta pô-los ao sol e os díodos de silício começam a produzir energia por si próprios. É de facto um dos milagres da ciência dos materiais. Por isso, o que queremos fazer é testar todas as diferentes tecnologias, porque o seu desempenho num determinado clima pode ser diferente do seu desempenho noutro clima.

A indústria solar do Qatar tem crescido rapidamente nos últimos anos, impulsionada por milhares de milhões de dólares de investimento em energias renováveis. Estes painéis solares fazem parte de uma instalação de 35 000 m2, um banco de ensaio para o que irá impulsionar a economia do Qatar para um futuro mais limpo e mais verde.

Lidar com o pó

O sol brilha durante todo o ano no Qatar, com os meses de verão a terem até 14 horas de luz do dia. Mas isso não significa necessariamente que a energia solar seja fácil de obter.

"Um dos maiores desafios que vemos para a energia solar aqui no Qatar e na maioria das regiões desérticas é a poeira", diz Figgis. "As medições que fizemos mostram que, se não limparmos os painéis solares todos os meses, eles perdem cerca de 15% da sua potência só por causa do pó."

É aí que entram os robots de limpeza. De dois em dois dias, limpam o pó dos painéis. Ao mesmo tempo, são recolhidos dados sobre a sua capacidade de manter os painéis solares a funcionar de forma eficiente.

Testes de stress

Mas até os robots se enganam e, por vezes, podem riscar os painéis ao tentar limpá-los.

E é por isso que as instalações interiores do QEERI são tão importantes como as suas instalações exteriores. Desde testes de pressão até à simulação de condições climatéricas extremas, um laboratório submete os painéis solares a vários ensaios para determinar a sua durabilidade e eficiência e, em última análise, ajuda a colocá-los no mercado.

Juan Lopez-Garcia dirige a Unidade de Investigação do QEERI.

"Um dos nossos projetos é o estudo do efeito destes riscos na eficiência", diz-nos. "A principal parte afetada é a luz transmitida pelo vidro. Temos um vidro e, se houver um risco, este pode dispersar a luz, o que pode ter um impacto na eficiência, porque estamos a reduzir a luz".

Um futuro sustentável

O Earthna,centro de investigação e defesa de políticas da Fundação Qatar, foi lançado apenas no ano passado, mas já deu passos no mundo da sustentabilidade e da investigação ambiental. O seu papel consiste em traçar o futuro sustentável do Qatar e a iniciativa começou com a primeira cimeira Earthna, como explica o Diretor Executivo, Dr. Gonzalo Castro de la Mata.

"Foi um primeiro evento maravilhoso", afirma. "Chamámos-lhe a Cimeira Earthna e foi a primeira vez que realizamos uma reunião sobre sustentabilidade para ambientes quentes e áridos. Não se trata de países tropicais. Não são países temperados. Não temos florestas e não temos água. Por isso, os impactos das alterações climáticas vão ser muito graves. Mas estes países também fazem parte da solução, porque muitos deles são produtores de hidrocarbonetos, que fazem parte de uma transição energética necessária para atingir os objetivos do Acordo de Paris".

Aumentar a consciencialização ambiental

O Projeto de Ações Ambientais de Doha, conhecido por DEAP, está a garantir que as praias e os locais de património do Qatar se mantêm limpos e em boas condições para as gerações vindouras. E os voluntários estão a assumir um papel de liderança na sensibilização ambiental no país.

PUBLICIDADE

Mais de 100 voluntários participaram recentemente numa ação de limpeza na praia do sítio arqueológico de Al Zubarah.

"Fazemos isto há 5-6 anos", diz José Saucedo, Diretor do Projeto de Ações Ambientais de Doha. "E ao longo desse tempo mobilizámos 11.000 voluntários, a maioria dos quais estudantes. Hoje podem ver que temos aqui estudantes universitários, estudantes do ensino básico, famílias, empresas, que se juntam a nós. Todos fazem parte deste grande movimento que criámos".

Todos os anos, 11 milhões de toneladas de resíduos de plástico entram no oceano. A esperança é que cada limpeza de praia aumente a consciencialização ambiental no Qatar. É por isso que a organização local apela aos voluntários para que não deixem nada para trás a não ser pegadas.

Ferhan Sakal, Diretor de Escavações dos Museus do Qatar, é um frequentador habitual das limpezas de praia e espera ver ainda mais caras novas na próxima vez.

"Esta é uma iniciativa que pode ser desenvolvida no Qatar", diz ele. "Atingimos um objetivo muito bom, que é a realização periódica de limpezas, o que ajuda a limpar os sítios do património e também a sensibilizar o país para o problema global. Não se trata de um problema do Qatar, é um problema global que temos de resolver.

PUBLICIDADE

Transformar o lixo em arte

Uma forma de levar as pessoas a pensar na mudança é através da arte. Algumas das garrafas recolhidas em limpezas anteriores foram usadas nos Dias de Aprendizagem de Doha, recentemente realizados.

"Temos uma série de objetos que foram recolhidos nas praias em redor do Qatar", afirma Elizabeth Kennedy, Diretora Adjunta da Qatar Academy Doha. "E os nossos alunos vão criar uma peça de arte coletiva. Vão fazer um dugongo e uma tartaruga (...) Penso que temos o dever de tomar medidas e garantir que deixamos a nossa Terra num lugar melhor".

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Desportos radicais para todos os gostos no Qatar

O mundo dos livros no Qatar

Biblioteca Nacional do Qatar dá formação para prevenir contrabando de documentos antigos