EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Protestos no Brasil para denunciar o racismo na liga espanhola

Um manifestante segura uma imagem de Vinicius Junior durante um protesto contra o racismo sofrido pelo avançado do Real Madrid durante uma partida contra o Valência
Um manifestante segura uma imagem de Vinicius Junior durante um protesto contra o racismo sofrido pelo avançado do Real Madrid durante uma partida contra o Valência Direitos de autor Tuane Fernandes/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Tuane Fernandes/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Manifestantes reuniram-se à porta do Consulado de Espanha em São Paulo para denunciarem os insultos racistas dirigidos contra o avançado do Real Madrid, Vinicius Junior

PUBLICIDADE

Protestos às portas do consulado de Espanha em São Paulo para denunciar o racismo de que é alvo o avançado brasileiro Vinicius Junior na Liga espanhola.

O craque ao serviço do Real Madrid é alvo frequente de insultos e provocações por ser negro nos estádios de equipas rivais. O problema, denunciado no Brasil, vai além do futebol.

"O Estado espanhol tem traços muito fortes de extrema-direita neofascista que é contra a política de imigração. Então o que a La Liga reflete é o que a população negra vive naquele país, por isso o Vini (Vinicius Jr, Ed.) é muito corajoso em denunciar a violência racial", afirmaSimone Nascimento, membro do Movimento Negro Unido.

As autoridades espanholas estão a tentar mostrar que o que Vinicius sofreu no jogo contra o Valência, no passado domingo, não ficará impune. 

Três pessoas foram detidas por insultos racistas e quatro outras por terem pendurado numa ponte, em Janeiro, um boneco com a camisola do jogador. 

Após o jogo, Vinicius denunciou o racismo na La Liga, mas o problema estende-se para além de Espanha e do futebol.

"Obviamente, nunca estive num estádio de futebol onde milhares de pessoas gritavam "macaco!", mas no dia-a-dia, com coisas que talvez não fossem tão agressivas como esta, já me senti mal. Por isso, sei o que ele estava a passar", afirma o jornalista e escritor cubano, Abraham Jiménez Enoa.

O Real Madrid cerrou fileiras para proteger o seu jogador.

O Valência foi sancionado com o encerramento parcial do seu estádio durante cinco jogos. 

A Liga reconhece igualmente que tem um problema grave (de racismo, Ed.).

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sete detidos por racismo e incitação ao ódio contra Vinicius Junior

Racismo, homofobia e sexismo na Polícia Metropolitana de Londres

Estudantes portugueses que denunciavam racismo já sairam da Ucrânia