Ucrânia anuncia troca de prisioneiros com a Rússia

Ucrânia troca prisioneiros com a Rússia
Ucrânia troca prisioneiros com a Rússia Direitos de autor Andriy Andriyenko/AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ucrânia anuncia que recuperou 106 prisioneiros no âmbito de uma troca de detidos com a Rússia

PUBLICIDADE

Um total de 106 prisioneiros de guerra ucranianos foram libertados no âmbito de uma troca de prisioneiros com a Rússia

O anúncio foi feito pelo principal assessor presidencial ucraniano, Andriy Yermak.

Os soldados, incluindo oito oficiais, foram capturados em combate na cidade de Bakhmut, no leste do país, que a Rússia diz ter capturado, mas onde as forças de Kiev dizem ainda ter uma pequena base de apoio.

"Não havia qualquer informação sobre muitas destas 106 pessoas - eram consideradas desaparecidas. Mas nós encontrámo-las. Trouxemo-los de volta a casa. Oito oficiais, 98 soldados e sargentos. [...] Todos os que estão na linha da frente devem lembrar-se disto: quantos mais prisioneiros russos fizermos, mais do nosso povo regressarão", disse o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy.

A Rússia contudo diz ter capturado Bakhmut, mas as forças de Kiev dizem ainda ter uma pequena base de apoio na cidade.

O líder do Grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, afirmou estar a entregar os corpos de cidadãos americanos e turcos mortos em Bakhmut. 

Prigozhin publicou um vídeo em que se vê ao lado de dois caixões de madeira, um coberto com uma bandeira americana e outro com uma bandeira turca. Nele afirma que um cidadão americano foi morto em combate e que dois cidadãos turcos morreram sob os escombros de um edifício que ruiu em Bakhmut.

O Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, afirma que já começou a transferência de algumas armas nucleares tácticas da Rússia para o seu país.

Os EUA reagiram descrevendo a decisão como irresponsável.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Moscovo acusa Kiev de bombardear a cidade russa de Shebekino e a cidade ocupada de Luhansk

Kiev continua a ser alvo de ataques russos

Ucrânia: dois anos de guerra