EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Será a troca de um carro convencional por um elétrico a escolha mais ecológica?

Os carros elétricos podem não ser tão ecológicos como pensa
Os carros elétricos podem não ser tão ecológicos como pensa Direitos de autor Bilal Hussein/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Bilal Hussein/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pode ser difícil saber qual é o veículo mais ecológico. Será melhor manter o seu carro atual até que deixe de funcionar ou trocá-lo por um elétrico ou híbrido?

PUBLICIDADE

Zonas de emissões reduzidas e uma possível proibição dos motores de combustão estão a forçar os condutores a considerar meios de transporte mais ecológicos.

Com os automóveis de passageiros a emitirem até 3,2 toneladas métricas de CO2 por ano em todo o mundo e o aumento da temperatura a aproximar-se cada vez mais do limite de 1,5°C, não há dúvida de que precisamos descarbonizar a maneira como viajamos.

Mas como conseguiremos isso ainda está em discussão.

Quanto CO2 é necessário para fabricar um veículo elétrico?

Nas estradas da Europa existem atualmente 250 milhões de carros, a maioria dos quais movidos a combustíveis fósseis.

“Precisamos pensar muito mais holisticamente sobre como esses veículos afetam o meio ambiente, não apenas concentrar-nos num cano de escape e eliminá-lo”, diz Nick Molden, fundador e diretor executivo da Emissions Analytics, uma empresa que analisa o impacto ambiental dos veículos.

Uma das principais distinções entre as emissões de CO2 de produzir um veículo elétrico e um carro com motor de combustão é a bateria.

“Para um carro elétrico, são necessárias cerca de oito a 10 toneladas de emissões de fabrico para produzir uma bateria [de 80 quilowatts-hora]”, diz Nick.

Isto leva em consideração os materiais extraídos e refinados na China, onde o carvão ainda é uma importante fonte de energia. À medida que o mundo muda para energia renovável, este número vai diminuir.

“Um carro médio no Reino Unido, como um Nissan Qashqai ou um Ford Kuga, emitirá aproximadamente duas a três toneladas de CO2 por ano, com um condutor que percorra cerca de 15 mil quilómetros por ano”, afirma Nick.

Com base nestes números, seria preciso conduzir o veículo elétrico por aproximadamente quatro anos para equilibrar as emissões de um carro a combustão.

Mas essas baterias pesadas em carbono não duram para sempre - a maioria só vem com uma garantia de oito anos. Normalmente, porém, precisam ser substituídas a cada 10 a 20 anos.

As baterias precisam durar “muito além do ponto de equilíbrio” para proporcionar reduções significativas de CO2, realça Nick.

“Realmente, precisam chegar a cerca de 14 anos, que é a expectativa de vida média de um veículo típico”, explica.

“Se conseguirem isso, na prática, estarão a permitir reduções significativas no ciclo de vida do CO2.”

Quais os outros aspetos negativos dos carros elétricos?

Devido às grandes baterias, os veículos elétricos são cerca de 400 a 500 kg mais pesados do que os carros com motor de combustão. 

“É preciso colocar pneus muito maiores e especialmente desenhados para esses veículos, que normalmente se desgastam mais rapidamente”, explica Nick.

“Os pneus são feitos essencialmente, e talvez ironicamente, com combustíveis fósseis de petróleo... Portanto, há muitos dos mesmos poluentes que encontraria num cano de escape, também nos pneus”, diz Nick.

É apenas mais um exemplo que mostra como pode ser complexo determinar o impacto ambiental geral dos veículos elétricos.

PUBLICIDADE

Serão os carros híbridos uma boa solução?

Os carros híbridos também são polémicos.

Testes oficiais confirmaram que estes veículos têm taxas de emissão muito mais altas do que os fabricantes afirmam.

Na UE e no Reino Unido, a venda de novos carros híbridos será proibida em 2035. 

Mas os híbridos parecem ter algumas vantagens face aos elétricos. Os híbridos não plug-in têm baterias menores, o que significa que “não são muito mais pesados do que um veículo padrão”, diz Nick. Eles não dependem de infraestruturas de carregamento. E apesar de terem autonomia elétrica limitada, ainda são mais ecológicos do que os carros com motor de combustão.

Mas para aqueles que podem pagar, mudar diretamente para um veículo elétrico é uma escolha mais ecológica do que um híbrido.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ferry elétrico com piloto automático já navega em Estocolmo

Papa pede união pela defesa do clima

Voltou a entrar combustível na Faixa de Gaza, mas não é suficiente