EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

As polémicas que envolvem o novo governo de direita finlandês

The chairman of the Finns Party and parliamentary candidate Jussi Halla-aho votes in the parliamentary elections, in Helsinki, Finland Sunday, April 14, 2019.
The chairman of the Finns Party and parliamentary candidate Jussi Halla-aho votes in the parliamentary elections, in Helsinki, Finland Sunday, April 14, 2019. Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  David Mac Dougall
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O novo ministro da Economia discursou num comício organizado por neonazis e o presidente do Parlamento tem um historial de condenações judiciais.

PUBLICIDADE

Com a tomada de posse do novo governo de coligação finlandês na terça-feira, o novo primeiro-ministro Petteri Orpo enfrenta uma dor de cabeça em termos de relações públicas por causa do presidente do Parlamento e do ministro dos Assuntos Económicos, ambos cargos ocupados pelo Partido Finlandês de extrema-direita.

Na Finlândia, não é segredo que Jussi Halla-aho, anterior líder do Partido Finlandês, antigo eurodeputado e atualmente no cargo de presidente do Parlamento, tem um historial de décadas de comentários racistas e escritos profundamente preocupantes.

As publicações no seu blogue, escritas anos antes de estar sob o olhar do público, contêm visões perturbadoras da visão do mundo que moldou a sua política e que até lhe valeram condenações por "perturbação do culto religioso" e "agitação étnica", pelas quais foi multado pelo Supremo Tribunal finlandês.

Entre centenas de publicações no seu blogue ao longo dos anos, Halla-aho escreveu em junho de 2006 que o Islão é uma "religião de pedófilos" e que o Profeta Maomé "era um pedófilo". Disse ainda que "roubar transeuntes" era uma "característica genética" dos somalis.

Também em 2006, deu a entender que ficaria 'bando de imigrantes' violasse" uma deputada do Partido Verde.

"Continuo e continuarei a acreditar sinceramente e de todo o coração que se uma mulher que se opõe à deportação de violadores imigrantes for violada por um violador imigrante, isso é uma coisa feliz", escreveu mais tarde.

Halla-aho também tem como alvo a comunidade LGBTQ+ da Finlândia.

"A violência é hoje uma ferramenta subestimada para a resolução de problemas", escreveu em novembro de 2008, enquanto pensava se alguma vez dispararia sobre um homossexual.

Um tribunal finlandês ordenou a eliminação de alguns dos comentários mais flagrantes, enquanto outros foram apagados pelo autor, mas muitos outros ainda podem ser encontrados online.

Halla-aho nunca pediu desculpa pelos seus escritos anteriores.

"O seu modo de funcionamento é sempre atacar, nunca defender, nunca pedir perdão", diz Oula Silvennoinen, professora associada da Universidade de Helsínquia, à Euronews.

Durante vários anos, Halla-aho foi abertamente membro de uma organização nacionalista chamada Suomen Sisu, que se opõe à imigração e ao multiculturalismo e adota uma posição anti-União Europeia.

David Mac Dougall
Parlamento finlandêsDavid Mac Dougall

Uma pessoa com uma condenação na Finlândia pode candidatar-se ao Parlamento?

Na Finlândia, não existe nenhuma lei que diga que uma pessoa com condenações penais não pode exercer o cargo de deputado ou mesmo de presidente do pParlamento.

O artigo 31º da Constituição finlandesa contém uma regra vaga que diz que "um representante deve comportar-se com dignidade e decoro e não se comportar de forma ofensiva para com outra pessoa", o que se aplica não só aos deputados, mas também ao presidente do Parlamento e aos ministros do Governo.

No entanto, o sistema político finlandês baseia-se na premissa de que um deputado já recebeu um mandato dos eleitores, o que conta muito, pelo que não existem outros controlos ou equilíbrios.

Em resposta a um pedido de comentário, o Partido Finlandês disse à Euronews que Halla-aho "é um dos políticos mais estimados da Finlândia".

O secretário do partido, Arto Luukkanen, diz que "estas informações sobre a política finlandesa não são corretas e não correspondem à realidade da vida". "Confiar em fontes tendenciosas é um erro típico de principiantes, tanto no jornalismo como na historiografia", acrescentou.

As condenações judiciais de Halla-aho são do domínio público na Finlândia. Centenas dos seus antigos blogues ainda estão disponíveis, e as questões foram exaustivamente documentadas nos meios de comunicação social finlandeses ao longo dos anos.

PUBLICIDADE

Quando questionado por jornalistas finlandeses sobre os seus escritos, a resposta habitual de Halla-aho é dizer que são antigos e que não os traz à baila, que é opção dos meios de comunicação social continuar a voltar atrás e a repetir textos antigos.

Varis
O novo ministro da Economia, Vilhelm JunnilaVaris

Outra dor de cabeça que o novo governo finlandês enfrenta é o ministro dos Assuntos Económicos, Vilhelm Junnila, que assume o cargo durante os primeiros dois anos e depois troca com outro colega do Partido Finlandês.

Em 2019, Junnila foi o orador principal num evento na cidade ocidental de Turku.

O comício foi organizado por um grupo chamado Coligação de Nacionalistas, formado em 2017 para os membros da extrema-direita, incluindo o Partido Finlandês, o agora proibido Movimento de Resistência Nórdica e o movimento Soldados de Odin.

O evento em que Junnila discursou era uma espécie de "quem é quem dos neonazis na Finlândia", e os membros destas várias organizações de extrema-direita podem ser vistos em fotografias atrás de Junnila enquanto este fazia um pequeno discurso, embora na margem oposta do rio. Junnila foi "o orador oficial, previamente anunciado" no evento, escreve Panu Raatikainen, professor de Filosofia na Universidade de Tampere.

PUBLICIDADE

Na primavera de 2017, a Coligação de Nacionalistas tinha feito manchetes na Finlândia depois de ter sido denunciada por organizar treinos de tiro num campo na floresta, onde os alvos eram rostos de ministros do governo finlandês.

A Euronews contactou o Partido da Coligação Nacional, do novo primeiro-ministro Petteri Orpo, para obter comentários sobre o novo governo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Partido dos Finlandeses expulsa deputado por alegado envolvimento num tiroteio

Finlândia prolonga indefinidamente encerramento da fronteira com a Rússia

Finlândia: rapaz de 12 anos diz que disparou contra colegas porque era alvo de bullying