EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Human Rights Watch acusa Ucrânia de utilizar minas terrestres indiscriminadamente

Um cartaz indica a presença de minas terrestres na posição de uma unidade de voluntários ucranianos num subúrbio de Kiev, em 28 de fevereiro de 2023\.
Um cartaz indica a presença de minas terrestres na posição de uma unidade de voluntários ucranianos num subúrbio de Kiev, em 28 de fevereiro de 2023\. Direitos de autor YASUYOSHI CHIBA/AFP or licensors
Direitos de autor YASUYOSHI CHIBA/AFP or licensors
De  Joshua Askew
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Onze vítimas civis, incluindo uma morte e várias amputações de pernas, foram registadas pela Human Rights Watch como vítimas de minas antipessoais.

PUBLICIDADE

Onze vítimas civis, incluindo uma morte e múltiplas amputações de pernas, causadas por minas terrestres antipessoais proibidas foram registadas pela Human Rights Watch ((HRW).

A HRW disse ter descoberto novas evidências de que as forças ucranianas usaram a arma indiscriminadamente enquanto lutavam contra a invasão russa.

A ONG internacional documentou 11 vítimas civis, incluindo uma morte e múltiplas amputações de pernas, de "minas pétalas" ou "minas borboletas", que, segundo a organização, a Ucrânia lançou para território ocupado pela Rússia perto da cidade oriental de Izium no ano passado.

A HRW afirmou que as forças russas também usaram pelo menos 13 tipos de minas antipessoais  na Ucrânia desde o início da sua invasão em fevereiro de 2022, matando e mutilando civis.

As minas terrestres podem ter um efeito devastado para os civis muito depois do fim do conflito. As minas antipessoais PFM-1, que a HRW informou que a Ucrânia lançou em áreas controladas pela Rússia, são pequenas minas explosivas de plástico, que detonam quando a pressão é aplicada, por exemplo, se alguém as pisar.

A HRW pediu a Kiev que não empregue as armas proibidas, investigue a suspeita de uso e responsabilize os responsáveis.

“A promessa do governo ucraniano de investigar o aparente uso de minas antipessoais proibidas pelos seus militares é um importante reconhecimento do seu dever de proteger os civis”, disse Steve Goose, diretor da divisão de armas da Human Rights Watch.

“Uma investigação rápida, transparente e completa pode trazer benefícios de longo alcance para os ucranianos, tanto agora quanto para as gerações futuras.”

“As autoridades ucranianas preocupadas com a proteção dos seus civis têm interesse em descobrir como, quando e onde essas minas foram usadas”, acrescentou. “E fazer tudo o que podem para impedir que sejam usadas novamente.”

As autoridades ucranianas disseram que iriam investigar esse problema quando a HRW o informou pela primeira vez em janeiro.

O grupo, com sede nos EUA, diz que compartilhou as suas descobertas mais recentes com o governo ucraniano, mas não recebeu resposta.

A HRW publicou quatro relatórios que documentam o o uso de minas terrestres pelas forças russas, que diz "violar o direito humanitário internacional".

Moscovo não aderiu ao Tratado de Proibição de Minas de 1997, que proíbe as minas terrestres devido à sua natureza inerentemente discriminatória. Nem os Estados Unidos.

A Ucrânia ratificou o tratado em 2005, que também exige que os países destruam os seus stocks de minas, limpem áreas minadas e prestem assistência às vítimas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU pede o fim dos explosivos nas zonas habitadas da Ucrânia

Ataque aéreo a Kharkiv faz pelo menos sete mortos. Zelenskyy condena brutalidade russa

Rússia captura aldeia na região de Donetsk