EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Violência da extrema-direita de novo em marcha, alerta chefe dos serviços secretos franceses

Ativistas de extrema-direita perturbam o conselho municipal quando a primeira vice-presidente da câmara de Saint-Brevin-les-Pins é eleita autarca da sua comuna.
Ativistas de extrema-direita perturbam o conselho municipal quando a primeira vice-presidente da câmara de Saint-Brevin-les-Pins é eleita autarca da sua comuna. Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Euronews com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os recentes incidentes de assédio a autarcas indicam que os grupos radicais estão a ganhar coragem.

PUBLICIDADE

O principal responsável dos serviços secretos franceses alertou, no domingo, para o "ressurgimento muito preocupante" de ações violentas por parte da ultra direita desde a primavera.

"Desde a primavera, temos assistido a um ressurgimento muito preocupante de ações violentas e de intimidação por parte da ultra direita, algumas das quais constituem uma clara rutura com o quadro democrático", sublinhou Nicolas Lerner, Diretor-Geral de Segurança Interna (DGSI) de França, numa entrevista ao jornal Le Monde.

Lerner, que está à frente da DGSI desde 2018, referiu em particular os ataques aos autarcas de Saint-Brevin-les-Pins, que se demitiu após a sua casa ser incendiada, e de Callac, onde a instalação de centros de acolhimento para requerentes de asilo e refugiados foi vigorosamente contestada pela extrema-direita.

O autarca está preocupado com "a banalização do uso da violência e com a tentação de impor ideias através do medo ou da intimidação” no movimento de ultra direita, que "conta com cerca de 2 mil pessoas."

Desde 2017, foram frustrados dez atentados terroristas planeados pela ultra direita, sublinhou.

No que diz respeito ao movimento de ultraesquerda, a importação dos seus "modos de ação" sobre questões ambientais, como o protesto contra os projetos de megabacias de armazenamento de água em Sainte-Soline ou as obras da linha ferroviária Lyon-Turim, "é preocupante."

"A luta contra o aquecimento global é uma batalha legítima que merece ser travada com determinação. Mas com os meios permitidos numa democracia", sublinhou Lerner.

Lamentou que "para alguns, esta exigência seja um pretexto para atacar os símbolos do Estado, as forças da ordem, aquilo a que chamam o ‘sistema’."

No entanto, não subscreveu a expressão "eco-terroristas" do ministro do Interior, Gérald Darmanin, explicando que "nenhuma ação" de natureza terrorista foi cometida em nome da causa ambiental nos últimos anos, embora tenha garantido que as agências permanecem "vigilantes" face a "ideologias que legitimam e teorizam o recurso à ação violenta."

No que se refere ao risco de terrorismo islâmico, Lerner explicou que está a monitorizar cada vez mais "indivíduos radicalizados que vivem na Europa ou na Ásia Central" e que são convidados a agir por "organizações terroristas na Síria e, cada vez mais, no Afeganistão."

Em dezembro, dois jovens radicais, um de nacionalidade russa e outro de nacionalidade tajique, foram acusados e detidos por suspeita de prepararem ações violentas em território francês.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O partido de extrema-direita espanhol Vox quer congelar as autorizações de residência para pessoas de "cultura islâmica

Três feridos em ataque à faca no metro de Lyon

Macron desloca-se à Nova Caledónia para tentar pôr termo à violência no arquipélago