EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Presidente russo deixa avisos à Polónia por causa de reforço militar no flanco oriental

Tensão fronteiriça entre a Polónia e a Bielorrússia é evidente.
Tensão fronteiriça entre a Polónia e a Bielorrússia é evidente. Direitos de autor WOJTEK RADWANSKI/AFP or licensors
Direitos de autor WOJTEK RADWANSKI/AFP or licensors
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Varsóvia decidiu reforçar segurança militar depois de mercenários do grupo Wagner terem começado esta semana a patrulhar fronteira Bielorrússia-Polónia.

PUBLICIDADE

Vladimir Putin deixou, esta sexta-feira, um recado a Varsóvia. O presidente russo disse à Polónia que qualquer ataque à vizinha Bielorrússia significará uma agressão à Rússia e que haverá consequências.

Putin deixou o alerta depois de a Polónia ter decidido reforçar a zona de fronteira com a Bielorrússia, por causa da proximidade de mercenários do grupo paramilitar Wagner, que se encontram no país aliado de Moscovo.

“A Bielorrússia faz parte do Estado da União. Desencadear uma agressão contra a Bielorrússia equivalerá a uma agressão contra a Federação Russa, e responderemos com todos os meios de que dispomos”, disse o presidente russo durante uma reunião do Conselho de Segurança.

O primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, não vê com bons olhos esta proximidade.

"O grupo Wagner, que está cada vez mais presente na Bielorrússia, é uma ameaça crescente para a Polónia, para o flanco oriental da NATO”, referiu.

A Polónia alega que pelo menos mil mercenários do grupo Wagner estão acampados a cerca de 80 quilómetros de Minsk e alega que as infiltrações russas no país se multiplicaram nas últimas semanas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polónia proíbe entrada de carros com matrícula russa

Polónia reforça policiamento na fronteira com a Bielorrússia por temer outra crise migratória

Lituanos voltam às urnas para a segunda volta das eleições presidenciais