Singapura executa primeira mulher em diuas décadas

Singapura
Singapura Direitos de autor Vincent Thian/Copyright 2019 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A última execuçâo, de Yen May Woen, tinha sido em 2004. Ambos os casos estão relacionados com tráfico de droga.

Uma mulher foi executada por enforcamento, esta sexta-feira, em Singapura, por tráfico de droga. Saridewi Djamani, de 45 anos, tinha sido condenada em 2018 por traficar 30 gramas de heroína. Foi a primeira mulher executada no país, nos últimos 20 anos.

PUBLICIDADE

Singapura é um dos países com leis antidroga mais restritas em todo o mundo. A pena de morte, em caso de tráfico de droga, é aplicada a partir dos 15 gramas.

Djamani alegou durante o julgamento que “estava a armazenar heroína para consumo próprio durante o mês de jejum islâmico”, não negando que vendia drogas.

De acordo com os grupos de defesa dos direitos humanos, é a segunda pessoa a ser executada esta semana. Foi também o 15.° prisioneiro a ser morto pelas autoridades, desde que o governo retomou as execuções, em março de 2022 após uma pausa durante a pandemia. 

Desde que as execuções foram retomadas, a cidade-Estado tem levado a cabo uma média de uma execução por mês, dizem ainda os ativistas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Homem foi executado em Singapura devido a um quilo de marijuana

Singapura vai despenalizar a homossexualidade

Cão-robô Spot patrulha parque de Singapura