EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

CEDEAO pronta para intervir militarmente no Níger

Embaixador Abdel-Fatau Musah, Comissário para os Assuntos Políticos, Paz e Segurança da CEDEAO
Embaixador Abdel-Fatau Musah, Comissário para os Assuntos Políticos, Paz e Segurança da CEDEAO Direitos de autor KOLA SULAIMON/AFP or licensors
Direitos de autor KOLA SULAIMON/AFP or licensors
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Se o presidente Mohamed Bazoum não voltar ao poder até domingo, uma força africana multinacional será enviada para o Níger, para combater os golpistas.

PUBLICIDADE

Os contornos de uma "possível intervenção militar" contra a junta militar que tomou o poder no Níger já foram "definidos".

A declaração é de um responsável da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e foi proferida numa conferência de imprensa, no final de uma reunião dos chefes de Estado Maior da CEDEAO em Abuja, na Nigéria, país que atualmente preside a esta comunidade.

O embaixador Abdel-Fatau Musah, Comissário para os Assuntos Políticos, Paz e Segurança da CEDEAO afirmou: "A CEDEAO não vai dizer aos golpistas quando e onde vamos atacar. Essa é uma decisão operacional que será tomada pelos chefes de Estado."

Abdel-Fatau Musah acrescentou: "Todos os elementos de uma possível intervenção foram elaborados durante esta reunião, incluindo os recursos necessários, mas também a forma e o momento em que vamos colocar a força".

"Todos os elementos de uma possível intervenção foram elaborados durante esta reunião, incluindo os recursos necessários, mas também a forma e o momento em que vamos colocar a força".
Abdel-Fatau Musah
Comissário para os Assuntos Políticos, Paz e Segurança da CEDEAO

Os líderes golpistas tinham anteriormente prometido uma "resposta imediata" a "qualquer agressão" do bloco ou de um dos seus países.

Vários exércitos da África Ocidental, incluindo o do Senegal, tinham-se declarado prontos a enviar soldados.

O governo alemão apelou na sexta-feira à continuação dos "esforços de mediação" para encontrar uma saída política e evitar qualquer intervenção armada.

O mesmo apelo foi feito pela Casa Branca.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macron pede que antissemitismo seja discutido nas escolas após violação de uma jovem judia

Líder da extrema-direita opõe-se ao envio de tropas francesas para a Ucrânia

Francês detido no Irão por participar em protestos após a morte de Mahsa Amini foi libertado