EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Dezenas de diplomatas russos expulsos da Moldávia

Bandeira russa na embaixada da Rússia, em Chisinau
Bandeira russa na embaixada da Rússia, em Chisinau Direitos de autor INA FASSBENDER/AFP or licensors
Direitos de autor INA FASSBENDER/AFP or licensors
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Vários diplomatas da embaixada russa na República da Moldávia deixaram o país na manhã de segunda-feira, após serem expulsos por "ações inamistosas".

PUBLICIDADE

O voo partiu com cerca de 100 pessoas a bordo. Entre elas encontravam-se diplomatas e pessoal técnico da embaixada russa, bem como os seus familiares. Outros partiram nos seus carros e noutros meios fretados.

Antes da partida, uma manifestação de apoio aos diplomatas expulsos teve lugar em frente à embaixada russa.

No final de julho, a Moldávia anunciou a expulsão de 45 diplomatas russos e de outros funcionários da embaixada, depois de ter sido noticiado que tinha sido instalado novo equipamento de vigilância no telhado da embaixada russa e num edifício vizinho utilizado pela Rússia.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Moldávia declarou que a decisão foi tomada na sequência de "tensões e ações hostis em curso" e que o pessoal da embaixada e os diplomatas teriam de partir até 15 de agosto.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldávia, Nicu Popescu, declarou: "Durante muitos anos fomos objeto de ações e políticas hostis por parte da Rússia. Muitas delas foram realizadas através da embaixada".

A decisão irritou Moscovo. A porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, afirmou que o "passo hostil da Moldávia não ficará sem resposta" e que implicará restrições aos serviços consulares e aos contactos dos moldavos com a Rússia, embora não tenha anunciado medidas específicas.

 O embaixador russo em Chisinau, Oleg Vasnetsov, declarou, depois de ter sido convocado, que a decisão era "previsível" e que não tinha sido apresentada qualquer prova para apoiar as acusações.

Com uma população de apenas 2,6 milhões de habitantes, a Moldávia é uma das economias mais pobres da Europa e tem estado fortemente exposta à guerra na vizinha Ucrânia.

Enfrenta uma grave crise energética, uma vez que as suas infraestruturas elétricas remontam à era soviética. Não só a Rússia restringiu o seu abastecimento de gás, como os ataques à rede elétrica da Ucrânia provocaram cortes esporádicos de energia na Moldávia. A invasão provocou também um afluxo de refugiados ucranianos, o que colocou sob pressão os serviços públicos do país.

A Rússia apoia os separatistas que controlam um território separatista na Moldávia - a Transnístria - num conflito que se arrasta desde a década de 1990.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Grande manifestação na Moldávia a favor da entrada na UE

Polícia da Moldávia detém grupo pró-russo em dia de novos protestos antigoverno

Moldávia mantém neutralidade, mas começa a ponderar adesão à NATO