EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

China lança exercícios militares em torno de Taiwan

Exercícios militares da China em torno de Taiwan
Exercícios militares da China em torno de Taiwan Direitos de autor CCTV via AP
Direitos de autor CCTV via AP
De  Euronews com EFE
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ministério da Defesa de Taipé expressou a sua "forte condenação" e descreveu as manobras como uma "provocação irracional".

PUBLICIDADE

A China anunciou o arranque de exercícios militares marítimos e aéreos em torno de Taiwan. Pequim tinha prometido "medidas firmes" depois da passagem do vice-presidente taiwanês pelos Estados Unidos e, este sábado, definiu os exercícios como um "aviso severo" sobre o que chamou de conluio entre "separatistas e forças estrangeiras".

William Lai regressou a Taipé na sexta-feira, depois de ter visitado o Paraguai - um dos 13 países com laços oficiais com Taiwan e o único da América do Sul - e de ter feito duas escalas nos Estados Unidos a caminho do país sul-americano.

Os especialistas militares locais citados pelo jornal Global Times sublinham que esta é "a terceira operação contra as forças secessionistas", depois das manobras que a China levou a cabo em agosto de 2022, quando a então presidente do Congresso norte-americano, Nancy Pelosi, visitou a ilha, e depois das escalas nos Estados Unidos, em março passado, da atual presidente da ilha, Tsai Ing-wen, nas quais se encontrou com o sucessor de Pelosi, Kevin McCarthy.

Embora os militares chineses tenham dado hoje poucos pormenores sobre as operações, nem tenham dito por quantos dias vão durar, parecem ser de menor escala do que nas duas ocasiões anteriores, em que foram utilizados mísseis de longo alcance e navios militares chineses foram posicionados a poucos quilómetros da costa sul da ilha.

“Provocação Irracional”

As autoridades de Taiwan responderam com o destacamento de aviões e navios e com a ativação de sistemas de mísseis terrestres.

O Ministério da Defesa de Taiwan expressou a sua "forte condenação" das manobras e descreveu-as como uma "provocação irracional", assegurando que irá "defender a liberdade, a democracia e a soberania do território com ações concretas".

O Ministério informou também que 42 aviões e oito navios militares chineses entraram nas zonas próximas de Taiwan.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Multilateralismo não pode ser "escolha seletiva", diz Borrell na China

Barcos chineses confrontam embarcações da Marinha filipina

Dalai Lama recebe delegação de congressistas norte-americanos na Índia