EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Arábia Saudita matou centenas de migrantes - diz Human Rights Watch

ARQUIVO - Nesta fotografia de sexta-feira, 22 de dezembro de 2017, o etíope Zeynu Abebe, de 19 anos, está sentado entre dois outros depois de ter sido deportado da Arábia Saudita, no aeroporto de Adis Abeba
ARQUIVO - Nesta fotografia de sexta-feira, 22 de dezembro de 2017, o etíope Zeynu Abebe, de 19 anos, está sentado entre dois outros depois de ter sido deportado da Arábia Saudita, no aeroporto de Adis Abeba Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Centenas de migrantes etíopes e requerentes de asilo que tentaram atravessar a fronteira foram mortos por guardas sauditas entre março de 2022 e junho de 2023, diz a ONG

PUBLICIDADE

"Vi pessoas serem mortas de uma forma que nunca imaginei". Em fevereiro passado, Hamdiya, de 14 anos, estava a tentar atravessar a fronteira entre o Iémen e a Arábia Saudita com um grupo de 60 pessoas quando ouviu os tiros. "Vi 30 pessoas serem mortas no local", conta.

Depois de testemunhar a cena, Hamdiya ficou em choque. "Não sei o que aconteceu depois disso", diz. "Sentia as pessoas a dormir à minha volta. Depois apercebi-me que eram, na verdade, cadáveres."

O seu testemunho faz parte do mais recente relatório da Human Rights Watch (HRW), que alega assassinatos em massa de migrantes na fronteira entre o Iémen e a Arábia Saudita pelos guardas fronteiriços sauditas. A investigação sugere que os abusos sistemáticos contra os etíopes podem constituir crimes contra a humanidade.

Centenas de migrantes etíopes e requerentes de asilo que atravessaram a fronteira foram mortos entre março de 2022 e junho de 2023.

Hamdiya pode agora contar a sua história a partir da capital do Iémen, Sana'a, onde chegou com a ajuda de outros migrantes. Apesar de ter sobrevivido ao ataque, diz estar psicologicamente marcada.

"Agora não consigo dormir. Durante a noite, tenho muito medo. Prefiro que as pessoas fiquem acordadas e falem comigo".

Nariman El-Mofty/Copyright 2019 The AP. All rights reserved.
In this July 26, 2019 file photo, Ethiopian migrants disembark from a boat onto the shores of Ras al-Ara, Lahj, Yemen, determined to reach Saudi Arabia.Nariman El-Mofty/Copyright 2019 The AP. All rights reserved.

Migrantes visados com explosivos

Outras dez pessoas entrevistadas pela HRW estimaram que, em 11 tentativas de travessia, com um total de 1.278 migrantes, se registaram pelo menos 655 mortes.

"Há, sem dúvida, muito mais mortes porque é impossível obter um número exato. É uma área inacessível e estamos a entrevistar pessoas que acabaram de fugir de uma cena de horror absoluto, estão devastadas", disse Nadia Hardman, investigadora da divisão de direitos dos refugiados e migrantes da HRW, à Euronews.

Um dos sobreviventes explicou que do seu grupo de mais de 170 pessoas, 90 foram mortas: "Alguns regressaram a esse local para recolher os cadáveres".

O relatório afirma que os guardas fronteiriços sauditas utilizaram "armas explosivas" para matar muitos migrantes à queima-roupa, incluindo mulheres e crianças.

"A HRW tem vindo a documentar assassinatos desde 2014, mas eram irregulares e pouco frequentes. Quando começámos a investigar, não esperávamos que fosse tão sangrento", diz Hardman.

"Não esperávamos dizer que (os assassinatos) eram generalizados e sistemáticos e que poderiam constituir um crime contra a humanidade, porque a escala é incrível", acrescentou.

De acordo com as conclusões da HRW, numa série de situações, os guardas fronteiriços sauditas perguntaram aos migrantes em que parte do corpo deveriam disparar e, em seguida, dispararam sobre eles a curta distância. Também dispararam armas explosivas contra os migrantes que tentavam fugir para o Iémen.

Tudo isto enquanto a Arábia Saudita "investiu fortemente para desviar a atenção do seu historial abismal em matéria de direitos humanos no país e no estrangeiro", gastando milhares de milhões de dólares em grandes eventos de entretenimento, culturais e desportivos.

Graphic Human Rights Watch
Map of the migration route from Ethiopia to Saudi Arabia through Yemen.Graphic Human Rights Watch

Uma rota letal

A rota Somália-Iémen-Arábia Saudita é uma das mais perigosas do mundo. Muitos etíopes tentam atravessar a fronteira com a Somália e depois embarcam para o Iémen. De lá, atravessam para a Arábia Saudita em busca de uma vida melhor.

A guerra devastadora na região de Tigray, na Etiópia, associada a razões socioeconómicas, leva centenas de milhares de pessoas a optar por esta rota, em que 90% dos migrantes são etíopes. Estima-se que cerca de 750.000 deles vivam e trabalhem na Arábia Saudita.

"Os etíopes não têm muita escolha. Há uma rede de contrabando e de tráfico que é bastante polida e há a promessa de oportunidades de emprego na Arábia Saudita. Essas oportunidades de emprego existem de facto", disse Hardman.

"Sempre se compreendeu que esta é uma rota extremamente perigosa, mas penso que as pessoas não estão conscientes do nível de brutalidade e da dimensão das mortes", acrescentou.

PUBLICIDADE

De acordo com a Organização Internacional para as Migrações, apenas 30% das pessoas que tentam encontrar trabalho na Arábia Saudita sabem que o Iémen - o país que têm de atravessar - está no seu sexto ano de conflito.

Esta situação dá origem a abusos não só por parte da polícia fronteiriça saudita, mas também por parte do grupo armado Houthi no Iémen, que deteve migrantes em condições precárias e os submeteu a tortura.

As forças Houthi "extorquem frequentemente subornos" aos migrantes, "abusando das pessoas até poderem pagar uma taxa de saída".

Hani Mohammed/AP
Ethiopian migrants wait to be evacuated at departure center in the western Yemeni town of Haradh, on the border with Saudi Arabia and Yemen.Hani Mohammed/AP

"Vozes que pedem para não os deixar"

Das 42 pessoas entrevistadas pela HRW que tentaram atravessar a fronteira entre o Iémen e a Arábia Saudita, todas descreveram cenas de horror. Mulheres, homens e crianças gravemente feridos, mutilados ou já mortos cobriam a paisagem montanhosa.

"Primeiro estava a comer com as pessoas e depois elas estavam a morrer", disse um dos testemunhos recolhidos pela HRW. "Há algumas pessoas que não se conseguem identificar porque os seus corpos estão atirados para todo o lado. Algumas pessoas foram rasgadas ao meio".

PUBLICIDADE

A organização recolheu provas visuais, que cruzou com membros do Grupo Independente de Peritos Forenses do Conselho Internacional de Reabilitação das Vítimas de Tortura, para corroborar os relatos dos migrantes.

Uma das coisas que Hardman não esquece é o sentimento de culpa dos migrantes: "Se sobreviveram ao ataque, fugiram. Mas havia pessoas a morrer e eles sabiam que não as podiam salvar. Muitos migrantes disseram-me que ainda se lembram de todas as vozes das pessoas que lhes pediam para não os deixarem", conta.

A Euronews contactou o governo da Arábia Saudita para comentar o assunto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Migrantes não param de chegar a Lampedusa

Polónia vai realizar referendo à migração ilegal

Principais intervenientes do sector das viagens reúnem-se na ITB Berlin 2024