EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Lyon enfrenta vaga de calor mas o pior ainda está para vir

Em Lyon as sombras à beira-rio são umas das opções para enfrentar o calor
Em Lyon as sombras à beira-rio são umas das opções para enfrentar o calor Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Johan Bodiniereuronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A cidade francesa deve atingir a temperatura mais alta da sua história, desde que há registos, esta quinta-feira.

PUBLICIDADE

Há 13 dias consecutivos que a cidade francesa de Lyon enfrenta uma vaga de calor. A região está em alerta vermelho, mas o pior ainda está para vir. Na quinta-feira, a temperatura em Lyon pode bater um recorde, ultrapassando os 40,5ºC registados em 2003. 

Quem chega a Lyon vindo do norte de França, nota bem a diferença: “Chegamos à estação de comboio às 11 horas da manhã e havia uma diferença de 15 graus". 

As autoridades têm apostado nos espaços verdes para combater a vaga de calor. O horário de funcionamento dos parques da cidade foi alargado para que os habitantes possam beneficiar da sua relativa frescura.

Esta é uma das poucas medidas implementadas para ajudar a população a enfrentar o calor.

A autarca do terceiro bairro de Lyon, Véronique Dubois Bertrand, decidiu criar espaços com ar condicionado para proteger os habitantes, pois considera que são cruciais para os mais vulneráveis. “Os idosos, que costumam jogar às cartas nos parques, podem vir jogar para aqui, num local fresco, e continuar a sua vida social, que é importante". 

Michelle decidiu recorrer a este espaço, porque não aguenta mais o calor que está em sua casa: "Há alguns dias, nos últimos três dias, não conseguimos que a temperatura esteja abaixo dos 30 graus.... E hoje estão 31". 

Segundo um estudo publicado recentemente na revista Nature Medicine, o calor provocou quase 62 mil mortes na Europa em 2022.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macron pede que antissemitismo seja discutido nas escolas após violação de uma jovem judia

Líder da extrema-direita opõe-se ao envio de tropas francesas para a Ucrânia

Francês detido no Irão por participar em protestos após a morte de Mahsa Amini foi libertado