EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Wagner continua a utilizar o Facebook para recrutar combatentes, apesar da promessa da Meta de remover os conteúdos

Yevgeny Prigozhin sentado dentro de um veículo militar a posar para uma fotografia com um civil local numa rua em Rostov-on-Don, Rússia, sábado, 24 de junho de 2023.
Yevgeny Prigozhin sentado dentro de um veículo militar a posar para uma fotografia com um civil local numa rua em Rostov-on-Don, Rússia, sábado, 24 de junho de 2023. Direitos de autor AP Photo, File
Direitos de autor AP Photo, File
De  Giulia Carbonaro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

No final de maio, a Meta declarou que tinha classificado o Wagner como uma "organização perigosa", afirmando que os conteúdos que promovem o grupo seriam retirados das suas plataformas. Um estudo recente revelou que ainda lá estão.

PUBLICIDADE

Wagner, o violento grupo mercenário russo, acusado de cometer crimes horríveis e violações dos direitos humanos em todo o mundo nos últimos anos, continua a utilizar o Facebook e o Instagram para recrutar pessoas em linha, apesar de os seus conteúdos violarem as políticas da Meta.

Um novo estudo do Instituto para o Diálogo Estratégico (ISD), uma organização independente sem fins lucrativos sediada em Londres que investiga e monitoriza o extremismo e a desinformação em todo o mundo, concluiu que a Meta não conseguiu remover conteúdos que celebrizam o Wagner e que contêm informações de recrutamento para o grupo, apesar de os ter rotulado como uma "organização perigosa".

De acordo com as políticas da Meta, a empresa não permite que organizações ou indivíduos perigosos "que proclamem uma missão violenta ou estejam envolvidos em atos de violência tenham uma presença no Facebook. Avaliamos estas entidades com base no seu comportamento - tanto online como offline - mais significativamente nos seus laços com a violência".

No final de maio, a Meta confirmou ao Politico que tinha identificado a Wagner como uma organização perigosa, uma vez que se revelou que as suas plataformas de redes sociais eram utilizadas para recrutar sangue novo para o violento grupo mercenário russo.

"Designámos o Grupo Wagner como uma organização perigosa, o que significa que não pode estar presente nas nossas plataformas", disse um porta-voz da Meta ao jornal, acrescentando que o conteúdo que contém "elogios ou apoio substancial ao Wagner" também é removido "quando tomamos conhecimento disso, incluindo publicações que visam recrutar para eles".

Mas o problema persiste, apesar das políticas e declarações da Meta.

Mais de uma centena de contas que promovem o Wagner

A organização encontrou um total de 114 contas no Facebook e no Instagram que se faziam passar pelo Wagner, glorificavam-no ou publicavam conteúdos de recrutamento para o grupo mercenário.

As contas publicavam em pelo menos 13 línguas: inglês, francês, alemão, italiano, espanhol, português, árabe, macedónio, polaco, romeno, indonésio, vietnamita e russo.

O impacto negativo destas contas não pode ser subestimado. Quinze das 57 contas encontradas no Facebook tinham mais de 10.000 seguidores ou membros a 16 de agosto de 2023, enquanto as 57 contas encontradas no Instagram tinham um total de 10.175 utilizadores.

AP Photo, File
Membros do Grupo Wagner sentados num veículo, numa rua em Rostov-on-Don, Rússia, sábado, 24 de junho de 2023.AP Photo, File

Cerca de 23 destes grupos partilharam informações sobre o recrutamento para o Wagner, chamando-lhe "o exército privado mais forte do mundo". Alguns vídeos tentavam convencer os potenciais recrutas de que não seriam "carne para canhão" para o grupo, mas que seriam bem-vindos à "família" Wagner.

Em alguns vídeos partilhados nas contas do Facebook, por outro lado, o líder do Wagner, Yevgeny Prigozhin, podia ser ouvido a declarar que a "Terceira Guerra Mundial" estava próxima.

Além de publicar conteúdos relacionados com o Wagner, as contas também partilhavam propaganda pró-Kremlin.

Embora os posts sobre recrutamento, partilhados antes do motim, contivessem informações e contactos que pareciam autênticos, a ISD não conseguiu encontrar "qualquer prova credível" que ligasse estas páginas, grupos e perfis do Facebook diretamente ao Wagner.

A Euronews contactou a Meta para um comentário sobre o assunto, mas, até agora, não foi possível.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que acontece depois da morte de Prigozhin, chefe do grupo Wagner?

Junta Militar do Níger pede ajuda ao Grupo Wagner

Execuções, torturas e pilhagens: grupo Wagner acusado de abusos em África