EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Conferências do Estoril chegam ao fim de olhos postos no futuro

A oitava edição das Conferências do Estoril terminou neste sábado.
A oitava edição das Conferências do Estoril terminou neste sábado. Direitos de autor Cleared
Direitos de autor Cleared
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Evento contou com a presença de várias personalidades.

PUBLICIDADE

As Conferências do Estoril, em Portugal, chegaram ao fim com uma mensagem clara: “agir agora em nome do futuro é mais urgente do que nunca.”

No evento discutiram-se os desafios atuais do amanhã.

A plateia fez silêncio para ouvir Mário Laginha. O pianista e compositor subiu ao palco e explicou o poder salvador da música.

“Às vezes, há especialistas em economia. Falam sobre números, números e mais números, mas falemos de pessoas. Os números vêm de pessoas que trabalham ou não, que trabalham bem ou não”, sublinhou.

Os debates foram desde a guerra na Ucrânia ao impacto da Inteligência Artificial, mas há um denominador comum: encontrar-se um objetivo na unidade em nome de uma mudança positiva."

"Penso que a solidariedade europeia está a ir muito bem até agora, mas não é um facto adquirido porque manter não só a solidariedade europeia, mas também a solidariedade transatlântica é condição sine que non para a nossa vitória conjunta no futuro”, ressalvou Sergiy Kyslytsya, representante permanente da Ucrânia na ONU. 

A oitava edição das Conferências do Estoril terminou neste sábado.

Trouxe laureados com o Prémio Nobel, juntou políticos, cientistas e ambientalistas para discutir, lado a lado com gerações de jovens, o s desafios que o mundo enfrenta.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Abstenção e desconhecimento sobre a UE serão teste às eleições europeias em Portugal

Novo aeroporto em Alcochete vai chamar-se Luís de Camões e Alta Velocidade está a caminho

Chega acusa Presidente da República de "traição à pátria, coação e usurpação"