EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Sexta-feira pelo Futuro": Ativistas exigem políticas para reduzir o aquecimento global

O grito da "Sexta-feira pelo Futuro" em Berlim, Alemanha, 15 de setembro de 2023
O grito da "Sexta-feira pelo Futuro" em Berlim, Alemanha, 15 de setembro de 2023 Direitos de autor Annette Riedl/(c) Copyright 2023, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
Direitos de autor Annette Riedl/(c) Copyright 2023, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O grito de "Sexta-feira pelo Futuro" está a fazer-se ouvir uma vez mais. Por todo o mundo os ativistas voltaram a pedir o fim dos combustíveis fósseis.

PUBLICIDADE

O protesto, impulsionado por vários grupos e organizações de clima locais e globais liderados principalmente por jovens, incluindo o movimento "Fridays for Future" de Greta Thunberg - ocorreu em dezenas de países e em centenas de cidades, em todo o mundo.

Em Berlim, milhares de jovens ativistas do clima levantaram suas vozes para exigir ações urgentes dos governos para conter o aquecimento global. 

Em Quezon City, nas Filipinas, ativistas estavam em frente ao Departamento de Meio Ambiente e Recursos Naturais 

Em Jacarta, na Idonésia, juntaram-se no exterior do Ministério de Energia e Recursos Minerais, sob observaçâo policial.

Na Suécia, reuniram em frente ao Parlamento, ao lado do Palácio Real.

Cientistas e ativistas acreditam que as dezenas de eventos climáticos extremos ocorridos durante o verão do hemisfério norte tenham sido agravados pela mudança climática causada pelo homem.

Outra grande manifestação está prevista para domingo, em Nova York, para coincidir com a Semana do Clima da cidade e a cimeira do clima da ONU. 

As Nações Unidas alertaram há uma semana que os países estão muito longe de reduzir o aquecimento de 1,5 graus Celsius da era pré-industrial, conforme acordado em Paris, em 2015.

Na verdade, o hemisfério norte do planeta experimentou o verão mais quente já registado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ativistas climáticos lançam tinta laranja sobre Pirâmide do Louvre

Ativistas ambientais em ação na Maratona de Berlim

Seis mil pessoas protestam em Wolfsburgo contra a extrema-direita