EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Vagas de calor ameaçam salmões escoceses

Em várias explorações, apareceram peixes cobertos de piolhos marinhos parasitas invasores.
Em várias explorações, apareceram peixes cobertos de piolhos marinhos parasitas invasores. Direitos de autor Robert F. Bukaty/AP2008
Direitos de autor Robert F. Bukaty/AP2008
De  Luke Hanrahan
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Por causa do aumento das temperaturas marinhas, aumentou o risco de infestações por piolhos do mar, prejudiciais para várias espécies.

PUBLICIDADE

Desde março que as águas da Escócia têm sido assoladas por uma vaga de calor marinha de categoria 4 sem precedentes.

O evento invulgar gerou mortalidade marinha em massa.

Para algumas das explorações de salmão locais o impressionante aumento de 4 graus na temperatura levou a um risco aumentado de infestações por piolhos do mar.

Uma investigação recente descobriu evidências alarmantes em cinco explorações, onde se observaram peixes cobertos de piolhos marinhos parasitas invasores.

"As vagas de calor marinhas estão a tornar-se mais frequentes, generalizadas e duram mais tempo. Isto cria um ambiente ideal de reprodução para os piolhos do mar, levando à reprodução desenfreada. Estes parasitas alimentam-se da pele, do muco e do sangue do salmão, com milhões potencialmente libertados no ambiente mais vasto", explicou, em entrevista à Euronews, Lex Rigby, responsável por investigações da organização Viva!, Vegetarians' International Voice for Animals.

Os piolhos do mar, normalmente encontrados em baixas densidades na natureza, tornaram-se uma preocupação crescente. Um fator agravante é o aumento da temperatura do mar.

O ano de 2022 foi um ano recorde, com as mortes de salmão a duplicar. Este ano, as perspetivas são ainda mais sombrias. Um número alarmante de 8,9 milhões de peixes já foi dado como morto em explorações de salmão em 2023.

Embora a criação de salmão já tenha sido vista como uma solução potencial, para ajudar a reabastecer os stocks selvagens, os piolhos do mar estão agora a espalhar-se das explorações para os peixes selvagens, dificultando a vida do salmão selvagem.

"A criação de salmão já foi aclamada como uma espécie de salvação. No entanto, à medida que as complexidades se desenrolam, estamos a testemunhar um declínio contínuo tanto no número quanto no tamanho do salmão selvagem. É verdadeiramente trágico", ressalvou John Rowley-Conwy, diretor da consultora Klere.

A indústria do salmão diz que dá prioridade ao bem-estar dos peixes, sublinhando a dedicação à utilização de tecnologia e inovação para gerir os piolhos do mar e outros desafios.

É o caso das alforrecas – que prosperam em águas mais quentes e atacam a proliferação de salmões e plâncton que sufocam e matam peixes.

Em toda a Europa e no mundo, o aumento da temperatura do mar em 2023 pôs à prova os ecossistemas marinhos e a aquacultura.

“Qualquer aumento de temperatura é um stress adicional e qualquer aumento súbito e grande que vá além daquilo a que os animais estão habituados pode causar stress ao ponto de morrerem – poderíamos ver uma mortalidade em massa da aquacultura, sejam peixes ou mariscos”, sublinhou Sevrine, do Laboratório Marinho de Plymouth.

Este ano, 25% do salmão de viveiro morreu e, embora estejam a ser exploradas soluções inovadoras, o desafio global do aumento da temperatura do mar continuará a afetar tanto os que cultivam e pescam como a vida marinha que supervisionam.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Primeiro-ministro da Escócia demite-se

Mais de mil tochas acesas na celebração Viking no Reino Unido

Monstro de Loch Ness: Caçadores na Escócia para a maior busca de "Nessie" em meio século