EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Campo de gás de Groningen foi encerrado a 1 de outubro por razões de segurança

Campo de gás de Groningen, nos Países Baixos, encerrado a 1 de outubro de 2023
Campo de gás de Groningen, nos Países Baixos, encerrado a 1 de outubro de 2023 Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Fernande van Tets
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Países Baixos encerram compo de gás de Groningen por causa dos terremotos, mas as populações continuam a lutar pelas compensações prometidas.

PUBLICIDADE

Addie cresceu nesta casa, em Groningen. Mas por causa dos terremotos, já não é seguro viver aqui. Os terramotos são causados pela extração de gás do campo de gás de Groningen – o maior campo de gás em terra da Europa. 

Milhares de residentes têm lutado para obter uma compensação.

"Eles disseram que é preciso reforçar a casa e que farão isso. Disseram que iriam fazer isso há algum tempo atrás, mas todos os procedimentos demoram muito, são muito complicados e custam muito dinheiro – para que o dinheiro seja gasto nas casas, nas pessoas, tudo leva uma eternidade", conta Addie Dost, um dos moradores da região.

Os lucros do campo lançaram as bases para o estado de bem-estar social holandês.

Machiel Mulder, professor de Economia Energética na Rijksuniversiteit Groningen, confirma: "A descoberta do campo de gás de Groningen foi muito importante para a economia holandesa, permitiu-nos obter receitas anuais de cerca de 15 mil milhões de euros, no início, pelo que foi um enorme contributo para a economia holandesa, e o Estado holandês teve uma participação importante nestas receitas, cerca de 80% destas receitas foram para o estado e a sociedade holandeses".

O primeiro terramoto ocorreu em 1986. Em 2012, um terramoto de escala 3,6 causou enormes danos – e o sentimento público começou a mudar. Um inquérito parlamentar no início deste ano concluiu que o governo tinha dado demasiada importância à extração de gás. 

Este domingo, 1 de outubro, o campo de gás de Groningen foi encerrado. O primeiro-ministro dos Países Baixos, Mark Rutte, visitou os residentes afetados na última sexta-feira e declarou: "Sabemos que existe uma ligação direta entre os terremotos e a extração de gás. Felizmente, conseguimos prescindir do campo de gás de Groningen – por isso é crucial fechá-lo, para a segurança das pessoas"

No caso de um inverno excecionalmente frio – o campo poderá ser explorado uma última vez.

Terremotos vão continuar

"Esta instalação de gás atrás de mim – é uma das muitas que existem espalhadas pela zona rural de Groningen. O topo deste enorme campo de gás, está agora quase todo desmantelado. Os moradores daqui dizem que não foram tanto os terremotos em si que lhes causaram tais problemas, mas principalmente a resposta do governo depois. A torneira do gás pode estar fechada, mas os terramotos continuarão a assolar esta região durante muitos anos", refere a repórter da Euronews no local, Fernande van Tets .

Quando o campo de gás de Groningen foi descoberto, em 1959, foi uma bênção para o Estado holandês. O gás gerou uma receita enorme, mas a partir da década de 80 os terremotos começaram a atormentar os moradores. Em 2012 – um enorme terremoto serviu de alerta. Mais de 3.000 casas tiveram de ser demolidas devido aos danos do sismo. A partir de 2015, a produção de gás foi reduzida. Agora, o campo foi encerrado, mas a luta para que milhares de residentes sejam compensados continua.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Países Baixos suspendem oficialmente as perfurações no campo de gás de Groningen

Shell deve iniciar fase de testes na bacia de gás e petróleo na Albânia no próximo mês

Política migratória causa demissão do governo dos Países Baixos