EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Política migratória causa demissão do governo dos Países Baixos

Mark Rutte
Mark Rutte Direitos de autor Michael Corder/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Michael Corder/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Eleições antecipadas devem realizar-se no outono.

PUBLICIDADE

O governo dos Países Baixos, formado há 18 meses, foi desfeito na sexta-feira por falta de consenso sobre a política de acolhimento de refugiados. 

O primeiro-ministro Mark Rutte já apresentou a renúncia ao rei. O executivo vai permanecer em funções até que seja escolhido um novo governo, nas eleições antecipadas que devem realizar-se no outono.

A migração e outras questões políticas importantes como a energia, as alterações climáticas ou os problemas da habitação, mostram as profundas diferenças que existem na coligação governamental formada por quatro partidos.

O principal motivo para o colapso terá sido a decisão do partido de Rutte, o Liberdade e Democracia de impor limites à entrada de estrangeiros. Outro ponto de discórdia, segundo os meios de comunicação social, prende-se com a proposta de limitar a entrada dos filhos dos refugiados de guerra que já se encontram no país e de obrigar as famílias a esperar pelo menos dois anos antes de se poderem encontrar.

Os centros de acolhimento de migrantes sobrelotados e investigações sobre alegadas ligações de migrantes com grupos terroristas alimentaram discussões no governo sobre o controlo dos requerentes de asilo. O Liberdade e Democracia defende controlos mais rigorosos, mas dois partidos da coligação, a União Cristã e o partido progressista D66, estão contra.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O fenómeno "Novo Contrato Social" nos Países Baixos

Novo governo dos Países Baixos promete política de asilo "mais rigorosa de sempre"

O que está por trás da viragem dos Países Baixos para a extrema-direita?