EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

O fenómeno "Novo Contrato Social" nos Países Baixos

Cartaz da campanha eleitoral do Novo Contrato Social, o novo partido político, que pode vencer as eleições de 22 de novembro nos Países Baixos
Cartaz da campanha eleitoral do Novo Contrato Social, o novo partido político, que pode vencer as eleições de 22 de novembro nos Países Baixos Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pai de quatro filhos, Pieter Omtzigt tem dito que não quer ser primeiro-ministro porque tem compromissos em casa com a família, que vive a 200 km de Haia.

PUBLICIDADE

A dois dias das eleições legislativas nos Países Baixos, muitos acreditam que o fenómeno político do momento, o Novo Contrato Social, venha a ser determinante no próximo governo.

O partido, fundado há apenas cinco meses, surge nas sondagens como potencial vencedor, uma situação que surpreende até o seu fundador, Pieter Omtzigt, um deputado com 20 anos de carreira política, que não tenciona ser primeiro-ministro.

Omtzigt, que criou o Novo Contrato Social no verão passado, afirma: "Eu próprio estou muito surpreendido com a velocidade com que tudo isso está a acontecer. Quero dizer, estamos diante de um partido que tinha cinco membros há três semanas."

O partido defende a reforma constitucional e a redução do custo de vida, mas a principal atração não são as políticas; é o homem, Omtzigt.

“Tornei-me membro do partido porque tenho muita fé em Pieter Omtzigt e nas suas ideias. Espero que ele possa trazer as reformas necessárias", diz um militante.

Uma mulher afirma: “Ele é apenas um homem gentil e amigável. Realmente interessado nos outros; nos seus semelhantes. Ele pensa como nós. Acho que é muito gentil."

As sondagens prevêem que qualquer vencedor da eleição terá de fazer parte de uma coligação para governar – o que significa fazer compromissos.

Mariken van der Velden, Professora Assistente de Comunicação Política, da Universidade de Amesterdão comenta: “Isso vai exigir que ele trabalhe em conjunto com outros partidos, e vai exigir que ele consiga mudar um pouco o rumo desse navio enorme que é um governo. Mas ele está a prometer virar o navio 180 graus, e isso não é possível para nenhum governo, por isso, ele terá – de certa forma – de decepcionar as pessoas que esperam que agora tudo realmente mude.”

"Um recorde de 26 partidos participam na eleição. Quando faltam apenas dois dias para o fim da campanha, a corrida está muito renhida. As sondagens mostram que, aconteça o que acontecer, Pieter Omtzigt e o seu Novo Contrato Social serão uma força a ter em conta na política holandesa durante os próximos quatro anos. Tanto a esquerda como a direita precisarão dele para formar uma coligação", diz a repórter da Euronews, Fernande van Tets.

Quem é Pieter Omtzigt?

Pieter Omtzigt é um dos políticos conservadores mais populares dos Países Baixos, um tecnocrata cheio de boas intenções:  “Queremos realizar os nossos ideais, e não procurar o poder pelo poder”, afirma.

Carismático, o antigo deputado democrata-cristão popularizou-se na opinião pública pela luta contra o establishment político, quando abandonou o partido após ter produzido um relatório muito crítico sobre o que se passava no interior e, mais tarde, quando descobriu e divulgou o escândalo fiscal que viria a ditar a demissão do ainda primeiro-ministro, Mark Rutte, em 2021.

Pai de quatro filhos, Pieter Omtzigt tem dito que não quer ser primeiro-ministro porque tem compromissos em casa com a família, que vive a 200 km de Haia. Espera-se que, se o seu partido vencer as eleições, venha a nomear outro chefe para o governo.

Este é talvez um dos maiores enigmas desta eleição: Uma boa parte do eleitorado neerlandês está disposto a dar o seu voto de confiança a um líder carismático, que não quer assumir a governação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Países Baixos: Queda do governo devido à migração... e habitação

Eleições legislativas nos Países Baixos marcadas para 22 de novembro

Política migratória causa demissão do governo dos Países Baixos